Debate

O cara que foi condenado em março pelo estupro em Stanford será solto hoje

por: Redação Hypeness

Você se lembra do ex-nadador Brock Turner, aquele cara que estuprou uma menina inconsciente na prestigiada Universidade de Stanford e que cujo pai divulgou uma carta dizendo que considerava a pena recebida pelo filho “muito dura para um ato que durou apenas 20 minutos”?

Pois então, depois de cumprir três dos seis meses ao qual foi condenado (SEIS meses, sério mesmo?), Brock foi liberado e será solto hoje, dia 02 de setembro. A sentença foi reduzida por conta de bom comportamento, e o estudante sai da prisão sem sequer ter ficado atrás das grades, já que foi mantido o tempo todo sob custódia e proteção especial, por conta do risco que estupradores correm na cadeia.

turner

O caso ganhou ainda mais repercussão após a divulgação do testemunho que a vítima deu no tribunal, cara a cara com seu estuprador. “Você não me conhece, mas você já esteve dentro de mim, e é por isso que estamos aqui hoje. Seu dano foi concreto, sem títulos, graus, rótulos. Meu dano foi interno, invisível, eu o carrego comigo. Você tirou meu valor, minha privacidade, minha energia, meu tempo, minha segurança, minha intimidade, minha confiança, minha própria voz, até hoje.”, dizia parte do texto.

Former Stanford student Brock Turner in Santa Clara County Sheriff's booking photos

Enquanto uma garota de apenas 23 anos teve sua vida impactada e terá de conviver com a dor e os fantasmas do estupro pelo resto da sua vida, o ex-nadador passou apenas uma curta temporada na prisão. Realmente, foi uma pena muito dura por um ato tão rápido, como disse o pai de Brock. Ele só estava enganado sobre quem a recebeu.

Imagens © Dan Honda/Associated Press e Reuters

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
William Bonner chama de ‘loucos’ negacionistas da pandemia de covid-19: ‘Mentiras absurdas’