Debate

Conheça a maravilhosa ‘Família Nutela’ que conta o seu dia a dia no YouTube para combater o racismo

por: Vitor Paiva

O que grande parte das famílias de propaganda margarina possuem em comum? Além do sorriso permanente, a absoluta ausência de problemas e a alegria contagiante mesmo às sete da manhã de uma segunda feira, o fato de serem quase sempre brancos – e de não existirem na vida real.

 fnutela1

O canal da Família Nutela no YouTube surgiu para registrar o dia a dia e os dilemas e alegrias de uma família oposta a essa família da ficção. “Nossa família tem mamãe, papai, filhinho e filhinha, mas está longe de ser uma família Doriana! Temos doçura (às vezes) e uma boa dose de melanina! Quem somos? O que enfrentamos? O que pensamos? Vem ver! Vem trocar com a gente!”, diz a chamada do canal.

A família Nutela é, portanto, uma família negra, que se opõe à logica racista, machista e heteronormativa que normalmente vemos retratada na grande mídia em geral. O nome surgiu para se contrapor ao padrão Doriana das propagandas.

fnutela2

O canal foi criado pela assistente social Adriana Arcebispo e pelo metroviário Josimar “Johnny” Silveira, e pretende justamente retratar o cotidiano de uma família longe de qualquer idealizada ficção – uma família supostamente “fora do padrão”, mas que se assemelha, no entanto, a verdadeira maioria das famílias brasileiras.

Uma premissa incontornável do canal, porém – e que serve de alicerce para a própria criação dos filhos Akins, de 5 anos, e Dandara, de 1 ano – é o combate ao preconceito e à descriminação, que deveriam, essas sim, tornarem-se enfim características padrão da família, seja ela como for, da onde for.

fnutela3

fnutela4

fnutela5

© fotos: reprodução 

Publicidade


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após suicídio, precisamos falar sobre como a menstruação é tratada nas escolas