Debate

Comercial que mostra casais gays trocando ‘selinho’ é denunciado ao Conar

por: Redação Hypeness

Uma propaganda veiculada em horário nobre na Rede Globo foi denunciada ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) por mostrar dois casais de mesmo sexo trocando um selinho. O vídeo do Grupo Dignidade, ONG que atua na área da promoção da cidadania LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), foi criado justamente para conscientizar sobre a importância de se respeitar a orientação sexual das pessoas.

A reclamação realizada em 14 de outubro afirma que o comercial seria “uma forma de fazer lavagem cerebral em crianças” que “transparece que as pessoas são agressivas somente pelo fato de não achar correto ser homossexual e que os LGBT”, que “gays pedem respeito, mas esquecem de respeitar outras pessoas” e que o ideal seria que “comerciais que estimulem crianças a se tornarem pessoas de bem”.

interna

O vídeo intitulado “Odeio Berinjela” mostra tudo o que se passa pela cabeça de um jovem quando sua sogra lhe oferece um prato que contém o legume. Enquanto imagina cenas em que aparece pisoteando, afogando e atirando flechas no alimento, ele volta para a realidade para responder à sogra cordialmente com um singelo: “Não, obrigado”. Em outra cena dois casais gays se cumprimentam com um selinho e a locução informa de forma didática: “Com orientação sexual é a mesma coisa: você pode discordar, mas tem que respeitar”.

O Conar ainda avaliará se vai retirar o comercial do ar ou não. Mas fica aqui a pergunta que não quer calar: Se mostrar beijos tórridos entre casais heterossexuais é permitido, porque um simples selinho entre casais do mesmo sexo é considerado tão ofensivo para algumas pessoas?

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
O que é o marco temporal e como ele pode legitimar injustiças contra povos indígenas