Arte

As pinturas mais polêmicas de John Currin, o ‘garoto maldito’ da pintura norte-americana [NSFW]

por: Redação Hypeness

Combinando técnicas de pintura que lembram obras clássicas da arte renascentista a temáticas sexuais bem pouco sutis, o trabalho do norte-americano John Currin é definido como “provocativo, brincando com os limites entre o belo e o grotesco”.

Muitas vezes a inspiração para suas obras veio de revistas como a Cosmopolitan e a Playboy, mas, atualmente, ele diz que suas criações vêm mais de dentro de si mesmo do que da observação de pessoas reais. “Uma das minhas motivações é tentar transformar um tema degradado em algo belo”, diz.

A combinação da nudez no estilo renascentista ao do pornô moderno é capaz de fazer refletir sobre a eterna fascinação pelos apelos sexuais, e o artista não tem pudor de brincar juntando corpos jovens a rostos de mulheres que poderiam estar fazendo bolo para os netos.

Seu trabalho está exposto em grandes museus e galerias ao redor do mundo, como o Museu de Arte Moderna de Nova York, o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, a galeria de arte moderna Tate, em Londres, e o Centro Georges Pompidou, em Paris.

john_currin_27

john_currin_pintura_erotica_polemica_6

john_currin_pintura_erotica_polemica_7

john_currin_pintura_erotica_polemica_2

john_currin_pintura_erotica_polemica_19

john_currin_pintura_erotica_polemica_15

john_currin_pintura_erotica_polemica_9

john_currin_pintura_erotica_polemica_5

john_currin_pintura_erotica_polemica_4

john_currin_pintura_erotica_polemica_1526

john_currin_pintura_erotica_polemica_24

john_currin_pintura_erotica_polemica_3

john_currin_pintura_erotica_polemica_8

Imagens por John Currin

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Agenda Hype em casa: 24 bons artistas e produtores de conteúdo antirracistas