Arte

Pinturas eróticas antigas nos muros de Pompéia mostram os serviços oferecidos na primeira capital do sexo

por: Redação Hypeness

Dizem que a prostituição é a profissão mais antiga do mundo, e poucos registros da negociação do sexo são anteriores às pinturas no Lupanar, o mais famoso bordel de Pompéia, cidade romana que sumiu do mapa por causa da erupção do vulcão Vesúvio.

Historiadores acreditam que os desenhos nas paredes do Lupanar não sejam apenas ilustrações, mas um catálogo dos serviços oferecidos por quem trabalhava lá. No bordel trabalhavam homens e mulheres, muitos deles escravos ou ex-escravos, que atendiam a clientes de ambos os sexos.

3b245cdb00000578-4010260-image-a-15_1481129124405

O Lupanar contava com dez quartos, todos “pequenos e com pouca iluminação”, segundo a historiadora Kelly Olson. “Não era um lugar muito agradável para se trabalhar”, diz. Cada quarto tinha uma sacada que dava para a rua, de onde era possível tentar atrair potenciais clientes.

A prostituição era legal durante o Império Romano, e acredita-se que as prostitutas tinham que se registrar e pagar impostos. A sociedade tinha padrões de comportamento bem desiguais quando se tratava com comportamento sexual de homens e mulheres: homens casados podiam transar com quem quisessem, desde que não fosse com mulheres casadas, enquanto para elas somente as relações com o marido eram permitidas.

pompeii-brothels

3b245ccd00000578-0-image-a-11_1481128714888

3b245cbe00000578-4010260-image-a-12_1481128863578

3b245c2400000578-4010260-image-a-13_1481128872770

3b245c0d00000578-4010260-image-a-17_1481129467608

3b245dd700000578-4010260-image-a-16_1481129130298

Todas as fotos © Kelly Olson

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Artista faz críticas ácidas à sociedade moderna através de ilustrações da evolução humana