Inspiração

Voluntários cosem maravilhosos cobertores para manter rinocerontes resgatados aquecidos

por: Redação Hypeness

O Thula Thula Rhino Orphanage, na África do Sul, foi criado para acolher filhotes de rinocerontes que foram resgatados após perderem suas mães. Muitos deles chegam ao local feridos e fracos, mas, graças à ajuda de voluntários, eles recebem cobertores para ajudar na recuperação.

3

Karen Trendler, diretora do Thula Thula, contou em entrevista que os filhotes, muitas vezes doentes, têm problemas para manter a temperatura corporal, tarefa que, na natureza, é cumprida pelas mamães rinocerontes. Os cobertores não só os mantêm aquecidos, mas também os fazem sentir mais seguros.

Sue Brown, amiga de Karen e fundadora da Thino Alerts, organização que levanta fundos para ajudar os animais, criou um grupo no Facebook para incentivar voluntários a coser seus próprios cobertores ou doar outros para ajudar na recuperação dos filhotes.

6

Quando eles estão abaixo do peso normal, manter a temperatura corporal aquecida é uma luta”, diz Karen. Os animais gastam muita energia apenas para ficarem aquecidos, e fica difícil para os rinocerontes voltarem a ficar fortes e saudáveis.

Alguns dos rinocerontes criam laços afetivos com os cobertores, levando-os consigo para lá e para cá no orfanato. Mas Karen conta que, durante todos os anos em que vem trabalhando para recuperar os animais e leva-los de volta ao seu habitat natural, nunca viu um deles tentar levar os cobertores junto, passando a preferir a areia e camas de palha para se deitar quando voltam a ficar saudáveis.

2

1

7

8

5

Todas as fotos © Thula Thula Rhino Orphanage

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco