Debate

‘Drogadictos’, o livro escrito por 12 autores acerca dos efeitos, vícios e viagens de diferentes drogas

Vitor Paiva - 21/03/2017

Desde sempre as drogas serviram como inspiração para obras em quase todas as artes, e na literatura não foi diferente. Junkie, de William Burroughs (e boa parte de sua obra), Medo e delírio em Las Vegas, de Hunther S. Thompson, Confissões de um comedor de ópio, de Thomas de Quincey, Paraísos Artificiais, de Charles Baudelaire, Sobre o Haxixe e outras drogas, de Walter Benjamin, As Portas da Percepção, de Aldous Huxley, e tantos outros se basearam em experiências com drogas, vícios, alucinações e aventuras.

O mais recente livro a ser incluído em tal lista é Drogadicto (dependentes de drogas), um livro reunindo doze autores espanhóis e latino-americanos, cada um se dobrando sobre uma droga, seus efeitos, vícios, consequências e/ou viagens.

 Drogadictos2

O livro reúne os espanhóis Juan Gracia Armendáriz (escrevendo sobre maconha), Juan Bonilla (ecstasy), Lara Moreno (ópio), Sara Mesa (mescalina), Marta Sanz (lorazepam), Manuel Astur (LSD), Javier Irazoki (tabaco) e José Ovejero (sexo – sim, tratado como uma viciante droga em potencial). Juntam-se aos autores espanhóis o peruano Richard Parra (crack), o mexicano Mario Bellatin (talidomida), o colombiano Andrés Felipe Solano (álcool) e o também mexicano Carlos Velázquez (cocaína).

Drogadictos1

O livro busca aproximar-se dos temas a partir dos mais diversos ângulos, sem moralismos ou preconceito – eventualmente com diversão, um tanto de reflexão, e certos pontos trágicos.

ICULT TABACO

Drogadictos é ilustrado por Jean-François Martin, colaborador de grandes publicações como Le Monde, The Guardian e o New York Times. Mesmo não se tratando de um novo tema, as drogas permanecem um universo agudo, contendente e relevante – e uma boa escrita que pegue carona na vertigem tanto da importância do tema quanto no potencial imaginativo e ilustrativo do próprio efeito da substância sempre será instigante para o leitor e importante para um melhor e mais livre entendimento da própria humanidade – que nunca existiu sem que, junto, existissem as drogas.

ICULT TABACO

Todas as imagens © Jean-François Martin

Publicidade


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutor em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Paulo Guedes diz que classe média come demais e recebe resposta à altura de Bela Gil