Inovação

Mini jardim portátil produz brotos comestíveis em apenas 10 dias

por: Redação Hypeness

Plantar em casa os próprios vegetais é um sonho para a saúde, a decoração e até o bolso. A maioria de nós, porém, não possui um pedaço de terra onde possa crescer o verde que depois irá trazer benefícios para nossa alimentação e decorar nossos pratos e vidas.

Um projeto, em financiamento pela plataforma de crowdfunding Kickstarter, porém, permite que se cultive brotos comestíveis de forma compacta, com baixa manutenção, perfeito para apartamentos ou casas de todos os tamanhos.

Broto3

Trata-se do EcoQube Frame, uma espécie de jardim interno vertical e portátil, que permite que se crie em até 10 dias, sem que se precise sequer regar as mudas, brotos até 40 vezes mais nutritivos que outros vegetais comuns.

Broto8

Desenvolvido pela empresa Aqua Design Innovations, o EcoQube utiliza um sistema hidropônico que, através de uma esponja natural, absorve a água fertilizada previamente colocada em um reservatório diretamente até as sementes, como que regando a planta através de capilaridades.

Broto10

O financiamento triplicou sua meta em somente 40 minutos de campanha, e até o momento de finalização dessa matéria havia alcançado 124 mil dólares, superando com impressionante vantagem a meta inicial de 10 mil dólares – e faltando ainda mais de 40 dias para o fim da campanha.

Broto9

Os brotos crescem em uma bela estrutura de mandeira, feito uma moldura, que pode ser pendurada na parede de sua casa, abrilhantando não só sua saúde, como também a decoração de sua casa.

Broto6

Broto7

Broto5

Broto1

Broto2

Broto4

© fotos: divulgação

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Winnie Bueno criou o ‘Tinder dos Livros’ para democratizar leitura entre negros