Debate

O que devemos aprender com a recusa de Blake Lively a responder a pergunta de uma repórter

por: Tuka Pereira

Por algum motivo incompreensível, enquanto no mundo artístico aos homens são direcionadas perguntas interessante sobre carreira e projetos paralelos, às mulheres sobram questionamentos superficiais.

Um bom exemplo disso foi o que aconteceu com Blake Lively na última semana. Ao ser homenageada pela revista Variety pelo trabalho que realiza contra a pornografia infantil, a atriz se irritou com a pergunta de uma repórter do programa USA Today. Ao invés da profissional lhe questionar a respeito de seus esforços na causa ela preferiu perguntar sobre seu look.

blake_interna

Diante da pergunta, Blake, obviamente, não deu voltinha para a câmera e nem disse a marca de cada item que estava usando. Muito pelo contrário, ela ofereceu uma bela lição de como uma artista deve ser tratada pelos jornalistas.

É sério? Num evento desse, você só vai perguntar sobre a minha roupa?“, disse a atriz sem titubear. “Sério? Você faria esta pergunta a um homem?

Estou aqui para que mais pessoas fiquem a par da causa e busquem mudanças; estamos aqui para empoderar mulheres. Então você pode me perguntar outra coisa“, concluiu.

Abaixo, o vídeo mostra apenas um pedacinho da resposta da atriz à repórter:

Blake Lively popping off after someone asked her about fashion at #PowerOfWomen – “Are we really doing this? Would you ask a man that?” pic.twitter.com/iPftkPfoeF

— Maeve McDermott (@maeve_mcdermott) 21 de abril de 2017

Todas as imagens: Reprodução

Publicidade


Tuka Pereira
Jornalista há mais de uma década e 'escrevinhadora' há muito mais tempo, Tuka Pereira aborda feminismo a gatinhos fofos com a mesma empolgação. Se existe algo que gosta mais do que escrever é carimbar o passaporte. Já esteve em boa parte do mundo e todo dinheiro que ganha gasta em viagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Relato denuncia política racista do Facebook contra funcionários negros