Inspiração

Travesti conclui doutorado com tese sobre racismo e homofobia

por: Redação Hypeness

A representatividade LGBTQ é uma conquista construída passo a passo, em contextos ou instituições das mais variadas – e naturalmente que a universidade e a academia também estão no caminho desse processo. Megg Rayara Gomes de Oliveira se tornou, no último dia 30, a primeira travesti negra a obter o grau de doutora em educação na Universidade Federal do Paraná.

Megg1

Megg já é professora substituta na UFPR, e tornou-se doutora tendo como objeto de estudo a superação de situações de homofobia e racismo por professores negros homossexuais. Em declaração ela explicou que não só o grau alcançado, mas sua própria presença ali, como travesti, é um símbolo de resistência. “O lugar de existência das travestis, para a sociedade, é na rua e na prostituição. (…) Por causa disso, eu encenei por muito tempo uma existência masculina que não era minha – para poder sobreviver”.

Megg2

Megg4

Para ela, sua conquista é, na verdade, coletiva. “A gente quer ter voz, queremos ser tratadas como pessoas que pensam e produzem conhecimento”. Para Megg, a diminuição do sofrimento LGBTQ pode sim começar na educação – e o que, afinal, não começa? Em sua cerimônia de defesa ela usou um vestido com nomes de travestis mortas.

Megg3

© fotos: divulgação

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Vaquinha de bailarina filha de diarista consegue 5 vezes o valor da meta