Inovação

Deputada faz história ao amamentar a filha durante sessão do parlamento australiano

por: Vitor Paiva

É difícil de compreender até mesmo logicamente que um ato tão profundamente essencial, natural e humano quanto uma mãe dar de mamar a um bebê seja motivo de controvérsia, debate, e tenha de se transformar em um ato político de resistência e afirmação. É esse, porém, o torto mundo em que vivemos, no qual senadora australiana Larissa Waters, do Partido Verde, tornou-se a primeira parlamentar do país a amamentar durante uma sessão do legislativo.

LWaters1

Larissa retornou de sua licença maternidade e levou a pequena Alia Joy, de apenas dois meses, junto com ela ao trabalho. A lei permite que senadoras e deputadas amamentem durante as sessões desde 2016, mas Larissa foi a primeira a realizar o ato que, ainda que para ela seja evidentemente algo natural e normal, possuiu sim um propósito político – para além da necessidade fisiológica de alimentar sua filha.

Australia Breastfeeding

LWaters6

Se queremos mulheres mais novas no Parlamento, temos de criar regras mais amigáveis para as famílias, permitindo criar um equilíbrio entre os deveres parlamentais e parentais“, ela afirmou, apontando uma necessidade que se estende para todo e qualquer local de trabalho.

LWaters3

Greens Senator Larissa Waters first politician to breastfeed in the Australian parliament

 Deixar de ter filhos ou deixar de trabalhar não são opções – a única coisa realmente a se debater é o que se passa na cabeça de alguém vê qualquer problema na cena de uma mãe dando vida a seu filho.

LARISSA WATERS SENATE BREASTFEEDING

© fotos: reprodução

Publicidade


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Spotify permitirá que pais bloqueiem ‘conteúdo explícito’ para os filhos