Debate

Ele desenhou os motivos pelos quais não devemos chamar asiáticos de ‘japa’ e dizer que são todos iguais

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Imagine como você se sentiria se ouvisse que latino-americanos são todos iguais? O quanto é absurda a ideia de que, por exemplo, argentinos e brasileiros “se parecem”, ou vêm “do mesmo lugar”? Pois a mesmíssima lógica se aplica para quando alguém afirma tais premissas a respeito de orientais e asiáticos como um todo – e foi isso que o estudante Vinicius Chozo procurou explicar em seu TCC.

Para melhor demonstrar seu ponto, Vinicius literalmente desenhou o que quis dizer. Piadas a respeito do formato dos olhos, ou da maneira com que o estereótipo oriental falaria, ou a respeito da semelhança entre pessoas de origem oriental, ainda que tratadas com suposta leveza, são sim afirmações xenofóbicas, ignorantes e preconceituosas – e que, como tais, precisam ser transformadas e combatidas.

Muitas das pessoas que passam por isso diariamente são, na realidade, simplesmente brasileiros, nascidos e criados por aqui, e ainda que não fossem, que tivesse chegado no país ontem, as relações entre os diversos países orientais são múltiplas e complexas, tal qual na América Latina, e supor que todos os países são similares é, além de ofensivo, um tanto ignorante.

Publicidade

Além de elencar diversos exemplos de como tal forma de preconceito funciona, Vinicius também pode notar, a partir dos compartilhamentos de seus desenhos, posicionamentos das pessoas, positivos ou negativos, a respeito do tema. A ideia foi justamente levantar o evidente debate, e principalmente sublinhar que tais comportamentos são incômodos e agressivos para com asiáticos e descendentes.

De todo modo, seja quem ou como for, não devemos julgar ou definir o comportamento das pessoas por sua aparência ou origem – essa pode ser uma das muitas definições de preconceito e racismo.

© Arte: Vinicius Chozo

 

Publicidade Anuncie


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Conheça história de Vitória Merdinha, a cachorra sem fiofó | Adotar é Hype #6