Debate

Ele explicou uma série de conceitos sócio-políticos de forma simples usando a mãe lavando a roupa como metáfora

por: Vitor Paiva

Em uma realidade com tantas diferentes orientações políticas, grupos, conceitos, rótulos, tantas opiniões e tão pouca instrução – em que basta postar a “sua opinião” de uma ideologia para que isso se torne um polêmico “debate”, mesmo que não tenha nenhuma conexão com a realidade – às vezes é importante, sem hipocrisias e indo direto ao ponto, o que cada orientação política ou opinião quer de fato dizer.

 

Foi isso que o poeta e músico americano Joshua Idehen fez no Twitter, e definiu cada uma das tendências sócio-políticas e críticas mais em voga na atualidade. Para isso, porém, ele utilizou uma metáfora bastante reconhecível: sua mãe lavando a roupa.

Capitalismo: sua mãe lava suas roupas. Você a paga um dólar. Ela reclama. Você chama a polícia e afirma que ela é uma vândala.

Comunismo: sua mãe lava as roupas. Você lava as roupas. Toda noite você saúda uma foto de seu pai.

 

Socialismo: sua mãe lava a roupa. Você cozinha. Todos ficam teoricamente felizes.

 

Fascismo: sua mãe lava a roupa enquanto teme pela própria vida.

 

Liberalismo: você vê sua mãe lavando a roupa e se sente realmente mal. “Algo precisa ser feito”, você diz. Algo pode ou não ser feito.

 

Libertarianismo: sua mãe lava a roupa. Você acredita que você lavou.

 

Misoginia: você odeia sua mãe independentemente dela lavar ou não as roupas.

 

Patriarcado: sua mãe não existe. A roupa é misteriosamente lavada.

 

Ativismo pelos direitos masculinos: sua mãe lava a roupa. Você a chama de puta.

 

Matriarcado: sua mãe lava a roupa. Você lava a roupa. Você fica realmente feliz ajudando na casa.

Feminismo branco: sua mãe contrata uma mulher de cor para lavar a roupa.

 

Apropriação cultural: enquanto sua mãe lava a roupa, você rouba as roupas sujas dela e a imita em público. As pessoas lhe dão dinheiro.

 

Colonialismo: você invade o quarto de sua mãe, e afirma o ter “descoberto”. Depois joga suas roupas sujas no chão.

 

Novo capitalismo: sua mãe lava a roupa. Você a paga um dólar. Você faz ela lavar as roupas dos seus amigos. Seus amigos lhe pagam 50 dólares.

 

Americanismo: sua mãe lava a roupa. Está na constituição. FIM DA DISCUSSÃO.

Capacitismo (preconceito contra deficientes): sua mãe está lavando a roupa. Ela tem demência. Você a chama de “retardada”.

 

Errar o gênero (em tradução livre, alguém que usa pronome errado para se referir ao gênero com que a pessoa se identifica, especialmente contra pessoas trans): “Valeu, cara”, você diz, enquanto sua mãe lava a roupa. Ela lhe diz que não é um “cara”. “Tanto faz, cara”, você diz.

 

Mansplaining: Sua mãe lava a roupa. Você lhe diz o melhor jeito de lavar. Você nunca lavou a roupa.

 

Sexismo: é claro que sua mãe lava sua roupa. Dã.

 

Cultura do estupro: é culpa da sua mãe ela lavar a roupa/ela pediu pra lavar a roupa/ela não lava tanto a roupa quanto diz que lava

 

Misandria: a única vez que sua mãe se recusou a lavar a roupa te convenceu que ela te odeia.

 

Egualitarismo: a única vez que você lavou a roupa prova que todos somos iguais e que ninguém precisa mais de feminismo.

 

Hip Hop: Todo dia é dia/É dia de lutar/ Quando eu trago o cesto/ minha mãe começa a lavar.

 

Homofobia: você acha que não é natural que outra pessoa que não sua mãe lave a roupa. É até mesmo contra a vontade de deus.

A coisa claramente saiu de seu controle, e Joshua já não conseguia mais parar. A mãe lavando roupa havia se transformado em metáfora para qualquer coisa.

 

ME AJUDE, NÃO CONSIGO PARAR:

Narcisismo: você se acha bonito nas roupas que sua mãe lavou.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Tem a questão do racismo’, diz Daniel Ganjaman, que assina trilha de série da HBO sobre maconha