Debate

Empresas de transporte público se unem em São Paulo para combater o assédio sexual após novos relatos de abuso

por: Tuka Pereira

As mulheres brasileiras estão acostumadas a uma triste realidade que não deveria jamais fazer parte de seu dia a dia: o assédio em transportes coletivos. Infelizmente isso se tornou tão comum que foi necessária até mesmo uma campanha de conscientização para acabar com esta prática.

Nesta terça-feira (29), empresas de ônibus, trens e metrô de São Paulo se uniram pela primeira vez e lançaram uma campanha de combate aos abusos. A iniciativa pretende incentivar não apenas as vítimas, mas também as testemunhas, a não se calarem diante deste tipo de violência já que a impunidade estimula este comportamento.

Serão afixados cartazes nos trens da CPTM e do Metrô e nos ônibus da EMTU com mensagens sobre o tema, além de postagens nas redes sociais das empresas. Antes do lançamento, foram realizados seminários de sensibilização direcionados aos funcionários das empresas de transporte, para prepará-los para o atendimento às vítimas.

Além da campanha, o Tribunal de Justiça Paulista irá promover, a partir de outubro, programas de reeducação direcionados aos abusadores já que apenas a punição nem sempre é o suficiente para uma mudança de conduta.

O curso será ministrado pelo sociólogo Sérgio Barbosa, responsável pela concepção do programa que já é aplicado a autores de violência doméstica.

A proposta é que o curso diminua a reincidência dos casos. As aulas não são obrigatórias, mas podem ser escolhidas pelo agressor como alternativa de pena – como, por exemplo, pagamento de multa ou prestação de serviços à comunidade.

Atualmente a CPTM transporta 3 milhões de passageiros por dia, no metrô são quase 5 milhões de passageiros diários e a EMTU leva 2,5 milhões de passageiros diariamente.

Coincidentemente, bem no dia do lançamento da campanha, em plena avenida Paulista, um caso de abuso em um ônibus gerou uma grande confusão. Um homem assediou uma passageira e ela gritou para se defender. Ele quis sair do coletivo, mas foi impedido pelo motorista que não abriu a porta e pelos passageiros que o seguraram e chamaram a polícia.

O agressor, que já possuía 5 passagens pela polícia por crimes sexuais, foi preso em flagrante e acusado de estupro.

Saiba como proceder caso seja abusado ou presencie um abuso em um transporte público (de acordo com informações do site do Governo de SP):

Metrô – No caso do Metrô, além de procurar um funcionário no local da ocorrência, o usuário pode recorrer ao aplicativo Metrô Conecta ou ao serviço SMS-Denúncia (97333-2252). A mensagem é recebida no Centro de Controle de Segurança, que destaca os agentes mais próximos da ocorrência para verificação imediata e providências.

CPTM – Ao sofrer ou presenciar um abuso sexual nos trens ou estações da CPTM, a pessoa deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor, a fim de que o agressor seja conduzido à delegacia de polícia mais próxima para o registro do Boletim de Ocorrência (BO). Os usuários podem ainda acionar a Companhia por meio do serviço do SMS-Denúncia (97150-4949).

EMTU – Os colaboradores das concessionárias e permissionárias responsáveis pela operação dos ônibus metropolitanos foram treinados e estão orientados a denunciar o criminoso pelo telefone 190 do Centro de Operações da Polícia Militar e prestar total e irrestrito apoio à vítima.

[com informações via]

Publicidade

Imagens: Reprodução


Tuka Pereira
Jornalista há mais de uma década e 'escrevinhadora' há muito mais tempo, Tuka Pereira aborda feminismo a gatinhos fofos com a mesma empolgação. Se existe algo que gosta mais do que escrever é carimbar o passaporte. Já esteve em boa parte do mundo e todo dinheiro que ganha gasta em viagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Novo tiroteio em escola no Brasil reforça urgência de debate sobre saúde mental