Debate

Mulheres afegãs criam campanha para usar seu nome publicamente

por: Redação Hypeness

Por incrível que parece, muitas mulheres do Afeganistão ainda não são autorizadas a usarem seus nomes em público, sendo conhecidas como esposa do fulano ou mãe do sicrano. Até mesmo nos documentos oficiais elas são registradas desta maneira.

Algo que para nós do Ocidente pode ser normal e corriqueiro, como escrever o nome da noiva num convite de casamento, por exemplo, lá não acontece. Nem na hora da morte a mulher é reconhecida pelo seu nome, já que a lápide normalmente recebe inscrições como mãe, filha ou irmã de “X”.

Infelizmente, isso acontece por conta da conservadora sociedade islâmica, que tornou o fato de usar o nome das mulheres em público algo inapropriado, sujo, feio e errado. E isso só vem a confirmar o status que a mulher ocupa na sociedade afegã, sendo sempre inferiorizada em relação ao homem, que é quem toma decisões sobre educação, casa, casamento, entre outros.

Para tentar mudar isso, uma campanha liderada por jovens de todo o país foi iniciada na web. É a #whereismyname, onde o principal objetivo é quebrar o tabu que impede que homens pronunciem o nome das mulheres em público. A hashtag ganhou a internet, já tendo sido mencionada milhões de vezes no Twitter.

Além das mulheres, inúmeros homens e até mesmo artistas aderiram a campanha. Uma das participações foi a de Farhad Darya, conhecido cantor do país que publicou uma foto sua com a esposa e com a seguinte legenda: “Farhad e Sultana Darya”. Tudo para dar voz as mulheres afegãs, e ajudá-las a resgatar sua identidade através de um direito fundamental.

Publicidade

Imagens © Reuters/Getty


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após suicídio, precisamos falar sobre como a menstruação é tratada nas escolas