Diversidade

Como ajudar a garotinha trans de 6 anos que foi expulsa da escola por abraçar colegas

por: Redação Hypeness

Com apenas seis anos, Emma Smith é uma menina trans que vive na Carolina do Norte, nos Estados Unidos. Mesmo com a sorte de nascer em uma família que entende e apoia sua identidade de gênero, a garotinha infelizmente precisou lidar com outros ambientes menos acolhedores, como sua própria escola.

A instituição insistiu para que a menina usasse o banheiro dos meninos e a não permitia que ela abraçasse seus colegas de classe. Segundo a família contou ao Daily Mail, os professores também continuavam chamando Emma por seu nome masculino, Colton.

Antes de ser expulsa, Emma já havia feito urinado nas calças em mais de uma ocasião, por não se sentir confortável em usar o banheiro dos meninos. Após os frequentes constrangimentos, a menina começou a estudar em uma nova escola, mais acolhedora, em agosto deste ano.

Se a princípio os pais tiveram dificuldades para entender como uma criança tão pequena poderia sentir que sua identidade de gênero era diferente de seu gênero biológico, hoje eles estão convictos de que Emma sempre soube quem ela era. “Emma nunca ficou confusa sobre quem ela era – éramos nós quem estávamos confusos“, comentou à publicação a mão da menina, Amy Smith.

Para apoiá-la, os pais criaram uma campanha de arrecadação de valores que, futuramente, poderão ser usados pela menina para realizar sua transição de gênero, se ela desejar e quando tiver idade suficiente para tomar essa decisão. É possível ajudar Emma com doações de qualquer valor através da página da campanha na plataforma GoFundMe.

Publicidade

Todas as fotos: Arquivo pessoal


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Avô com vitiligo cria bonecas inclusivas para acolher crianças com a mesma condição