Debate

Marina Ruy Barbosa pede desculpas pela polêmica campanha do papel preto

por: Vitor Paiva

A atriz Marina Ruy Barbosa foi a público através de sua conta no Instagram para pedir desculpas pela campanha do papel higiênico preto da marca Personal, campanha essa estrelada por Marina, e que ganhando cunho racista através da apropriação indevida de uma expressão histórica do movimento negro norte-americano.

“Estou bem triste por tudo isso e espero que entendam que jamais foi feito com a intenção de ofender!”, escreveu Marina.

 

A campanha da Personal, que visava lançar simplesmente um papel higiênico da cor preta, resolveu utilizar como hashtag a expressão “Black is Beautiful”, cunhada nos anos 1960 pelo movimento negro nos EUA, durante a luta pelos direitos civis. A expressão, que se traduz “Negro é lindo”, visava justamente afirmar a beleza negra, então (e até hoje) marginalizada através dos padrões impostos.

Um lançamento que eu adorei fazer parte! O primeiro papel higiênico preto do país! #PersonalVipBlack 🖤 @familiapersonal Foto: @bobwolfenson ______ Quando me convidaram e apresentaram a mensagem criativa da campanha para o produto Personal Vip Black, produto já existente no exterior e trazida pela Santher para o Brasil, fiquei animada em fazer uma campanha diferente e que seria uma novidade no nosso país. Lamento profundamente que algumas pessoas tenham interpretado o trabalho publicitário da Santher de forma diferente do que foi idealizado. Tenho certeza de que essa nunca tenha sido a intenção da marca e das pessoas que criaram esta ação, a de seguir por este caminho polêmico ou desrespeitar qualquer tipo de pessoa. Independente de tudo isso, eu lamento muito, de verdade, e peço desculpas às pessoas que se sentiram afetadas. Estou bem triste por tudo isso e espero que entendam que jamais foi feito com a intenção de ofender! Com amor, Marina.

A post shared by Marina Ruy Barbosa (@marinaruybarbosa) on

“Numa atitude racista e irresponsável, consciente e deliberada, (a Santher) decidiu que essa expressão deve remeter a papel higiênico, cuja função qualquer pessoa conhece”, afirmou em um post o escritor Anderson França, o primeiro a acusar o racismo da campanha.

Black is Beautiful é o nome de um movimento criado por intelectuais e artistas afro-americanos na década de 1960, que…

Posted by Anderson França on Monday, October 23, 2017

Em seu post, Marina afirma que o racismo e a polêmica não eram a intenção da marca. “Lamento profundamente que algumas pessoas tenham interpretado o trabalho publicitário da Santher de forma diferente do que foi idealizado. Tenho certeza de que essa nunca tenha sido a intenção da marca e das pessoas que criaram esta ação, a de seguir por este caminho polêmico ou desrespeitar qualquer tipo de pessoa”.

 

Exemplo do uso da expressão na campanha

Não fica claro se o uso da expressão foi deliberado ou por desconhecimento de seu sentido histórico – diferença que em nada muda o terrível efeito de seu uso em tal sentido. A Personal retirou a expressão de sua campanha, e também fez um pedido público de desculpas, através de um banner em seu site.

Publicidade

© fotos: divulgação


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Homem fica chocado ao ver foto de sua perna amputada em embalagem de cigarro