Debate

Blackwork ou blackface? Tatuadora é acusada de racismo após cobrir o corpo de preto

por: Redação Hypeness

Baseada em Londres, a tatuadora Belle Atrix, possui muitos seguires no Instagram e é Embora é bastante conhecida por seu trabalho, no entanto, seu último projeto – uma cobertura de corpo inteiro de “blackwork”, ou tinta preta sólida, está atraindo muita controvérsia.

Enquanto Atrix chama a arte de corpo extremo de sua “terapia”, muitos de seus seguidores sentem que o trabalho constitui uma forma de racismo, semelhante ao Blackface.

As reações negativas surgiram pela primeira vez em julho, depois que a Atrix publicou um vídeo mostrando o preenchimento da tinta preta opaca cobrindo as coxas.

Um seguidor comentou: “Sempre quis ver um comentário de uma pessoa negra sobre este tipo de trabalho, algumas pessoas o fazem por diferentes motivos, eu ouvi a dor sobre a estética sendo uma delas, mas toda vez que eu vejo, eu ainda acho isso muito parecido com o Blackface”.

Outro acrescentou: “Não estou dizendo que isso é racista, porque não é, mas se ela tatuar algum lugar perto de seu rosto, será”.

Embora Atrix se tenha referido à arte do corpo como “um novo manto preto de pele”, ela não concorda que o escurecimento de sua pele constitui racismo. Após as acusações de vários comentaristas em seu vídeo, a artista escreveu: “Racista ?? Como diabos poderia ser interpretado como racista? É uma tatuagem! “

“Eu acho que algumas pessoas que não são da comunidade de tatuagens não são educadas nas origens tribais do trabalho negro”, ela continua. “Eu sou de uma família de raça mista, minha avó é afro-americana, então toda a acusação de “querer mudar a raça “me enfureceu quando ouvi sobre isso”.

Publicidade

Imagens: Reprodução Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após suicídio, precisamos falar sobre como a menstruação é tratada nas escolas