Arte

Brasileiro cria pôsteres especiais de Stanger Things e acaba contratado pela Netflix

por: Redação Hypeness

Para uma série de época, passada em 1984 como é Stranger Things, o designer curitibano Bily Mariano, quando decidiu criar novas versões de pôsteres da segunda temporada, desenvolveu sua própria arte gráfica como se a série fosse, na verdade, uma coleção de livros ou um jogo vintage de videogame. E quando nos perguntamos a razão pela qual pessoas gastam horas de seus trabalhos somente para postarem algo na internet, o que aconteceu com Bily pode responder tal questionamento: o resultado de seu esforço na criação dos cartazes de Stranger Things deu tão certo que a Netflix o contratou.

 

Foram nove pôsteres criados, um para cada episódio da segunda temporada de Stranger Things. A concepção visual se baseou tanto em capas típicas de livros da década de 1980 – como coleções do mestre do terror Stephen King – como em cartuchos de antigos jogos de Atari. Diante do resultado, Bily foi chamado pela Netflix americana para desenvolver materiais oficiais para a empresa – camisetas, embalagens, materiais promocionais.

E essa não é a primeira vez que o designer curitibano é contratado assim: ano passado, depois de também criar um pôster para cada episódio de Black Mirror, ele acabou sendo retuitado pelo criador da série, Charlie Brooker, e seu trabalho foi incluído em dois episódios da nova temporada, ainda por estrear. Pelo visto, para as próximas novidades por vir, a plataforma de streaming já pode se antecipar e chamar Bily de uma vez.

O designer curitibano

As versões “Atari” dos episódios

Publicidade

© fotos: Facebook


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
As delicadas colagens da natureza que refletem um momento de ‘luto ecológico’