Viagem

Conheça as ruínas que inspiraram Bram Stoker na criação de Drácula

por: Redação Hypeness

Se hoje os vampiros são personagens corriqueiros no imaginário de terror de tal forma que livros, séries de TV e filmes de sucesso são constantemente criados e recriados ao redor de tal sombria figura, é possível creditar tal mitologia, entre muitos nomes, em especial ao escritor irlandês Bram Stoker. Em maio de 1897, Stoker lançou o livro que popularizaria o mito do vampiro, tornando-se sucesso imediato e praticamente um sinônimo do medo em forma de caninos proeminentes: o romance Drácula.

A inspiração para o personagem, como se sabe, veio do conde romeno Vlad Dracula, ou Vlad, o empalador, que reinou na região da Valáquia ao longo do século XV, e que era conhecido por sua crueldade inclemente com seus inimigos. Foi durante uma visita à assustadora Abadia de Whitby, no norte da Inglaterra, em 1890, que Bram Stoker tomou conhecimento da história de Vlad, pesquisou seus feitos na biblioteca local, e realizou as primeiras anotações do que se tornaria seu mais importante romance.

O próprio clima do local ajudou à imaginação de Stoker a criar um dos mais lendários e assustadores personagens de toda a literatura. A lenda sobre o fantasma de uma mulher que teria sido emparedada viva na Abadia – e que seria vista até hoje, pálida, vagando pelos escombros entre os morcegos que lá vivem – ilustra um pouco o clima em que Stoker encontrou a inspiração definitiva para sua obra-prima.

A abadia foi construída no século VII, e tornou-se um dos mais importantes e visitados pontos turísticos da Inglaterra. Foi entre esses escombros que Drácula nasceu.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
5 lugares mais isolados do planeta para se visitar (virtualmente) e fugir do coronavírus