Arte

Novo filme de Tarantino terá crimes do psicopata Charles Manson como plano de fundo

por: Redação Hypeness

Ao contrário do que foi especulado mais cedo neste ano, a seita assassina comandada pelo psicopata Charles Manson, que morreu aos 83 anos nesta segunda-feira (20), não será o tema central do novo filme de Quentin Tarantino, mas funcionará como uma espécie de plano de fundo da história.

O longa tem lançamento previsto para 2019.

Segundo sinopse inicial divulgada nesta terça-feira (21), #9 abordará o verão dos anos 1969, época em que a Família Manson assassinou a estrela hollywoodiana Sharon Tate.

Sharon Tate foi assassinada por Manson. (Foto: Reprodução)

A história seguirá os passos de um ator e um dublê que tiveram um papel de sucesso na televisão e, agora, buscam fama em Hollywood.

Charles Manson assassinou Sharon Tate em 1969. (Foto: Reprodução)

A ideia é que Manson esteja presente no filme da mesma forma que Adolf Hitler esteve em “Bastardos Inglórios”. O estilo do longa tem sido comparado ao de “Pulp Fiction”, obra-prima de Tarantino lançada nos anos 1990.

Segundo a Vanity Fair, os papéis dos protagonistas são disputados por Leonardo DiCaprio, Brad Pitt e Tom Cruise. Dos três, dois serão escolhidos.

Brad Pitt, Leonardo DiCaprio e Tom Cruise disputam papéis. (Foto: Montagem/Divulgação)

Outros nomes do elenco devem ser Jennifer Lawrence, Samuel L. Jackson (mais uma vez com Tarantino) e Margot Robbie, que viverá Sharon Tate.

Margot Robbie viverá Sharon Tate. (Foto: Divulgação)

O orçamento previsto é de 900 milhões de dólares (mais de 2,9 bilhões de reais), mesmo valor de Django Livre, e tem gravações previstas para 2018.

Publicidade


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
As polêmicas e controvérsias por trás de ‘O Juízo final”, de Michelangelo