Debate

Professor da USP relaciona homossexualidade com distúrbios na tireoide e revolta alunos

06 • 11 • 2017 às 11:21
Atualizada em 07 • 11 • 2017 às 10:37
João Vieira
João Vieira Com seis anos de jornalismo, João Vieira acredita na profissão como uma ótima oportunidade de contar histórias. Entrou nessa brincadeira para dar visibilidade ao povo negro e qualquer outro que represente a democracia nos espaços de poder. Mas é importante ressaltar que tem paixão semelhante pela fofoca e entretenimento do mais baixo clero popular.

Um professor que dava aula na Escola de Educação Física e Esporte da USP revoltou os alunos e internautas na semana passada. Isso porque, em um slide, o educador afirmou que distúrbios na tireoide podem causar “homossexualismo, masculinização das mulheres e desvirilização dos homens”.

A afirmação foi feita durante uma apresentação na última quarta-feira (25) pelo professor Antonio Carlos Simões, que ministra a disciplina “Dimensões psicológicas da Educação Física e do Esporte”.

Uma foto foi feita por uma aluna e circulou nas redes sociais, gerando polêmica. O jornal Folha de S. Paulo foi atrás de Simões, que é ex-técnico da seleção brasileira masculina de handebol, e ele afirmou que tudo se trata de um mal entendido, mas não quis dar explicações sobre a aula.

Professor relacionou tireoide a “homossexualismo”. (Foto: Facebook/Reprodução)

Ele também disse que as referências para sua afirmação estão em artigos e “um vídeo que foi passado na Globo”, o qual não soube dizer quando foi ao ar.

A direção da Escola de Educação Física divulgou nota dizendo estar “empenhada em contribuir para a educação, direitos humanos, democracia e preservação dos direitos à diversidade”. Uma decisão, porém, só deve ser tomada a partir desta segunda-feira (6), quando o Núcleo dos Direitos Humanos conversará com o professor.

Endocrinologistas entrevistados pelo jornal confirmaram que não há qualquer relação entre tireoide e orientação sexual.

Homossexualidade deixou de ser considerada doença há 27 anos. (Foto: Tumblr/Reprodução)

Considerar homossexualidade um distúrbio ou doença de qualquer grau é proibido pela Organização Mundial da Saúde desde 1990, quando ela passou a ser considerada como questão de orientação sexual que, por equívoco, foi por anos classificada como distúrbio mental.

O termo “homossexualismo” também é considerado socialmente incorreto pelo comunidade LGBT, uma vez que prefixo “ismo” remete justamente a um tipo de doença.

Abaixo, reproduzimos o que dizia o slide:

“A Tireoide

Dos distúrbios da tireoide podem resultar, além de outros, distrofias genitais, homossexualismo, masculinização das mulheres, desvirilização dos homens, deficiências suprarrenais, tendências a fadiga e incapacidade de suportar estados de tensão (estresse). 

Importante – avaliar o quanto o perfeito ou imperfeito funcionamento da tireoide influi na eficacidade de praticamente todos os tipos de atividades”.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness