Diversidade

Unicamp aprova cotas raciais para 2019 e cria vestibular indígena

por: Redação Hypeness

A Unicamp aprovou na última terça-feira duas mudanças importantes para o processo de ingresso de alunos na universidade: a implementação de cotas étnico-raciais para o vestibular 2019, e a criação de um vestibular indígena, a se tornar obrigatório a partir de 2021. A mudança, segundo o reitor Marcelo Knobel, procura representar melhor a sociedade dentro da universidade.

Das 3,3 mil oportunidades oferecidas nos 70 cursos de graduação da Unicamp, 15% serão preenchidas por alunos autodeclarados pretos e pardos no momento da inscrição, 10% das vagas oriundas do ENEM serão também preenchidas por alunos cotistas, e outros 10% das vagas do ENEM irão para alunos de escolas públicas.

 

O reitor Marcelo Knobel

Já o vestibular indígena será facultativo em 2019 e 2020, mas se tornará obrigatório em 2021. O ingresso dos alunos de origem indígena se dará provavelmente através de cadeiras extras ou do direcionamento de vagas não preenchidas na primeira chamada.

 

Representantes indígenas comemoram a decisão

Outra decisão tomada pelo conselho foi de oferecer vagas extras para destaques em olimpíadas de abrangência nacional, para alunos que tenham sido no mínimo bronze. A eficácia de tais processos de inclusão já é um fato notável e transformador, e a decisão tomada pelo conselho de uma das mais importantes universidades do país é uma grande notícia para o fundamental e urgente processo de diminuir a desigualdade em todos os sentidos no país.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Jesuíta Barbosa se assume para apoiar LGBTs, mas ‘a ideia de me colocar como viado ou hétero é limitadora’