Ciência

Última chuva de meteoros do ano poderá ser vista nesta madrugada em todo o Brasil

por: Redação Hypeness

O fenômeno astronômico chuva de meteoros, popularmente conhecido como estrela cadente, poderá ser visto nesta madrugada nos céus de todo o Brasil.

A movimentação ocorre desde o dia 4 de dezembro e vai até o dia 16, com a região de Santa Catarina sendo o local de maior visibilidade. O ápice será na madrugada desta quarta-feira (13) para quinta (14), segundo previsão do professor de Observações Astronômicas e Tópicos de Física Moderna do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) Girardi Schappo.

Ele diz que a Terra, em alguns períodos do ano, passa por regiões que coincidem com órbitas de cometas e asteroides. Como elas são sujas e repletas de detritos, o que se solta delas pega fogo na atmosfera terrestre.

Meteoro pega fogo ao entrar em contato com atmosfera

“A interação dessas rochas em alta velocidade e em atrito com a nossa atmosfera faz com que a rocha incinere e forme aquele traço brilhante. É o que forma a chuva de meteoro. O meteoro não é a rocha, mas o efeito atmosférico“, disse ele, em entrevista ao Diário Catarinense.

A chuva que ocorre em dezembro é uma das maiores do ano e se chama Geminídeos, por vir da constelação de Gêmeos. A taxa de visualização dela pode chegar a 100 meteoros por hora.

Chuva de meteoros poderá ser vista em dezembro

Para observar o fenômeno, é fundamental estar em um lugar com nenhuma ou muito pouca iluminação artificial. Obviamente, o céu precisa estar o mais limpo possível. Aí é só pegar uma cadeira reclinável e relaxar.

Publicidade

Fotos: foto 1: Pixabay; foto 2: Nasa/Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Planta amazônica que pode agir contra tumor está sendo estudada por cientistas brasileiros