Arte

‘Corra!’, que transforma o racismo em terror, é o melhor filme de 2017 segundo o Rotten Tomatoes

por: Vitor Paiva

Poucos filmes levantaram tantos debates e polêmicas em 2017 quanto Corra!. Dirigido por Jordan Peele, mesmo tendo sido lançado no início do ano, em fevereiro, a provocante sátira social e racial se afirmou, de forma sutil, pop e, ao mesmo tempo, contundente e agressiva ao longo de todo o ano. Não por acaso, o site Rotten Tomatoes, que avalia e critica obras cinematográficas, o colocou no topo da lista de 2017, como o melhor filme do ano.

O sucesso de Corra! não se restringiu à crítica, e a própria avaliação do site aponta o êxito popular que o filme alcançou – as notas e a lista do Rotten Tomatoes são feitas a partir de avaliações dadas pelos usuários. Tendo custado cerca de 4.5 milhões de dólares, o filme arrecadou ao redor do mundo mais de 254 milhões – impulsionado pelo inflamável clima político nos EUA e em todo mundo, o filme tornou-se um enorme sucesso comercial.

Trata-se de uma enorme vitória simbólica para a comunidade negra, considerando que o filme – que realiza uma sátira de filmes de suspense e terror através de uma perspectiva do racismo e da mistura de raças nos EUA – venceu, com 99% de aprovação pelos usuários, obras comercialmente imensas como Mulher Maravilha, Thor, Homem-Aranha e muito mais.

Um filme bem feito, interessante, provocador e intensamente consciente de seu gesto social e racial, é não só justo como natural que Corra! seja eleito o melhor filme de um ano como 2017 – um sinal simbólico, bom pelo filme e ruim pela necessidade ainda de tais temas, dos tempos.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulheres estão sendo removidas da capa de seus álbuns em site de streaming no Irã