Debate

Transgêneros poderão se alistar para as Forças Armadas dos EUA a partir de janeiro

por: Vitor Paiva

Para contrapor ao menos um pouco a sucessão de preconceitos e impropérios advindos dos EUA e da boca e dos tweets do presidente em pessoa, desde que Donald Trump assumiu o posto mais alto do país, uma boa, progressista e humana notícia: o major e representante do Pentágono David Eastburn afirmou que, a partir do dia 1º de janeiro de 2018, pessoas trans poderão se alistar no exército americano.

A nova política contraria o desejo do próprio Trump, de proibir tais indivíduos de se tornarem militares.

Dois tribunais federais americanos já se posicionaram contra a medida sugerida pelo presidente, e a decisão do major ilustra a dificuldade que o governo Trump encontrará para aplicar tal absurda proibição. Segundo Eastburn, o recrutamento de pessoas trans acontecerá normalmente, enquanto a batalha legal do governo para proibi-los se desenvolver.


Cartaz em manifestação pelos direitos trans diz: “Direitos trans são direitos humanos”

Segundo Trump, a aceitação de pessoas trans traria altos custos médicos e “perturbações”, seja lá o que isso quer dizer, para o exército – afirmação contrariada por especialistas e juízes. Para entrar no exército, porém, as pessoas trans terão de passar por uma série de intensos testes físicos e mentais, apresentando certificados médicos de estabilidade clínica, e comprovando já estarem a pelo menos 18 meses “estabilizados” no gênero de sua escolha.

Publicidade

© fotos: Getty Images


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
CNN demite Leandro Narloch após comentários homofóbicos relacionando gays com Aids