Debate

App cria inusitado contrato para comprovar que sexo foi consensual

por: Tuka Pereira

Não é fácil ser mulher em um mundo com recordes de feminicídio e onde a cultura do estupro é praticamente institucionalizada. Justamente, por conta disso, talvez algumas alternativas estejam surgindo nos relacionamentos – mesmo nos relacionamentos casuais de apenas uma noite. No entanto ainda não se sabe se estas alternativas ajudam ou atrapalham. Um aplicativo chamado LegalFling é um desses casos.

Digamos que você conheceu alguém em um bar, vocês se dão bem e querem ir juntos para um motel. Para garantir que o sexo que deseja ter é consensual, tudo o que você faz é abrir o aplicativo e enviar uma solicitação como você faria com uma mensagem no Whatsapp. Além disso você define tudo o que quer ou não na hora do sexo pelo próprio app.

Se a pessoa receber um pedido no LegalFling e pressionar ‘aceitar’, o aplicativo afirma que você e a outra pessoa entraram em um contrato juridicamente legal se um dos dois violarem esse contrato, por exemplo, compartilhando sex tapes online ou mentindo informações sobre DST, pode acabar em um tribunal.

Os contratos também podem ser usados em relacionamentos de longo prazo, com usuários capazes de adicionar uma duração infinita ou somente poucas horas. Também é possível acrescentar itens como BDSM e ‘linguagem explícita’ – tudo pode ser selecionado antecipadamente como uma maneira de comprovar o conhecimento legal do que está sendo acordado entre o casal.

O LegalFling diz que cada contrato é garantido usando o blockchain, a tecnologia que protege criptografias como a do Bitcoin.

Olhando a ideia por um outro ângulo, é possível encarar o aplicativo com alguns pés atrás. Uma vez ‘assinado’ o tal contrato quem garantiria a segurança das mulheres em um encontro que por ventura se tornasse violento? Tanto existe esta preocupação que, na própria página da ferramenta, uma das perguntas de sua FAQ é “vocês estão promovendo a cultura do estupro?”. Portanto. Há muitas controvérsias em relação a ele.

De qualquer forma, o aplicativo ainda está sujeito à aprovação da Apple e do Google para ser lançado.

No momento já existem outros aplicativos do gênero como o Sasie, voltados a estudantes universitários já que este público é recordista em casos de assédio e estupro nos Estados Unidos e o Good2Go, bastante equivalente ao LegalFling.

Publicidade

Imagens: Reprodução


Tuka Pereira
Jornalista há mais de uma década e 'escrevinhadora' há muito mais tempo, Tuka Pereira aborda feminismo a gatinhos fofos com a mesma empolgação. Se existe algo que gosta mais do que escrever é carimbar o passaporte. Já esteve em boa parte do mundo e todo dinheiro que ganha gasta em viagens.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Lázaro Ramos diz que se separar foi o que deixou a relação com Taís Araújo mais forte