Debate

Grife vende camiseta com logo da antiga Febem, é criticada e retira peça da loja

por: Redação Hypeness

A loja AMPamulherdopadre retirou de seu catálogo uma camiseta que possuía um logo da antiga Fundação Estadual para o Bem-Estar do Menor (FEBEM) de São Paulo, simulando uma réplica do uniforme dos internados na época.

A criação foi exposta por um usuário do Facebook, cujo post viralizou com diversas críticas. “Estou meio indignado por ter encontrado essa camiseta na loja da AMPamulherdopadre aqui perto do trampo, que falta de sensibilidade absurda”, escreveu Marcel Nunes.

“Simular um suposto uniforme da Febem pra hipster pagar de hypado, é sério mesmo??? Como uma porra dessa foi aprovada? Tem que acabar com essa pós-ironia”, finalizou.

Em agosto de 2017, 12 funcionários da antiga Febem foram condenados por tortura contra 68 adolescentes. A Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor foi criada em 1976 e enfrentou diversas crises de rebeliões e violência com o passar dos anos. Em 2006, foi substituída pela Fundação Casa.

Após a repercussão negativa se expandir pela mídia, a AMP divulgou uma nota em suas redes sociais neste domingo (28) se desculpando e assumindo o erro. Leia:

A AMP vem se desculpar pela inclusão de uma camiseta com logo da extinta Febem na sua linha LOST&FOUND. A LOST&FOUND é uma marca de camisetas de uniformes de companhias aéreas, instituições, concertos musicais e muitas outras que remetem a um passado distante . Consideramos que foi um erro a colocação de uma marca como a da Febem nessa linha, retiramos as camisetas imediatamente das lojas, e pedimos desculpas a todos.

Publicidade

Fotos: Facebook/Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Colapso nervoso de Megan Fox por hiperssexualização levanta importante debate sobre objetificação