Ciência

Surto de febre amarela pode ter relação com desequilíbrio causado por tragédia em Mariana

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Desde o início de 2017, casos de febre amarela voltaram a aparecer gradativamente na sociedade brasileira. A doença, que parecia superada, ganhou proporções maiores neste mês de janeiro, com casos em São Paulo, especialmente, assustando a população a provocando filas imensas nos postos de vacinação.

Filas invadem a madrugada em busca de vacina 

Há 1 ano, a bióloga Márcia Chame, do instituto de pesquisas Fiocruz, explicou que o fenômeno pode estar diretamente relacionado com a tragédia de Mariana, ocorrida em 2015. Na época, ninguém deu muita bola, mas agora parece valer a investigação.

Tragédia em Mariana causou desastre ambiental

O rompimento da Barragem do Fundão, controlada pela mineradora Samarco Mineração S.A., em conjunto com a Vale S.A. e a anglo-australiana BHP Billiton. provocou destruição na região pertencente ao estado de Minas Gerais. A lama levou casas, deixou aos menos 25 pessoas desaparecidas e três mortos, além de provocar impactos até hoje incalculáveis no ecossistema da região.

Lama chegou até o mar do Espírito Santo

A hipótese tem como ponto de partida o fato de os primeiros pacientes com sintomas da doença serem residentes de cidades na região próxima do Rio Doce, que foi invadido pelos dejetos da barragem e perdeu quase toda sua vida útil.

Rio Doce foi invadido pela lama da barragem

“Mudanças bruscas no ambiente provocam impacto na saúde dos animais, incluindo macacos. Com o estresse gerado pelos desastres e com a falta de alimentação adequada, eles se tornam mais suscetíveis a doenças, incluindo a febre amarela”, explicou Márcia ao Estadão.

Muito provavelmente, os macacos da região foram as primeiras vítimas do vírus. Diante do desastre, eles migraram para outras regiões, podendo ter sido a principal fonte de disseminação da doença.

Em 2018, a tragédia em Mariana completa 3 anos. Até hoje, as vítimas lutam para receberem indenizações das empresas responsáveis em processos que se arrastam na Justiça.

Mas, cuidado: os macacos não têm culpa nenhuma da transmissão do vírus. “Na verdade, os macacos, assim como os seres humanos, são vítimas da doença, que também pode matá-los, e não efetivos causadores, como muitos podem erroneamente pensar. Não há como vacinar os macacos que vivem em áreas de mata, contrariamente ao que ocorre com os humanos, que podem se vacinar”, conta Alexandre Rossi, zootecnia e cursa medicina veterinária, em texto publicado no Portal IG.

Publicidade

Fotos: foto 1: Linhares TV/Reprodução; fotos 2, 3 e 4: SECOM-ES


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
NASA torna toda sua biblioteca pública, acessível, gratuita e livre