Inspiração

Atleta olímpico e namorado salvam 90 cachorros que virariam comida na Coreia do Sul

por: Kauê Vieira

O espírito olímpico parece não ter deixado ainda a Coreia do Sul. Após o fim dos Jogos de Inverno de PyeongChang, as boas notícias continuam chegando. Mesmo sem levar pra casa nenhuma medalha, o esquiador norte-americano Gus Kenworthy, de 26 anos, adotou ao lado do namorado um cachorro, além de terem salvado outros 90.

Nada fora do comum? Pois bem! Na Coreia do Sul, os cachorros são pratos tradicionais da gastronomia local e alguns são mantidos em abatedouros e tratados de forma degradante. Para se ter uma ideia, números dão conta da existência de 17 mil fazendas de cachorro no país.

Atleta olímpico adota cachorros na fila para o abate

Preocupado com a situação, o esquiador vistou uma das fazendas ao lado da Humane Society International (Sociedade Humana Internacional), ONG que trabalha para brecar o consumo de carne de cachorro. Por outro lado, em suas redes sociais Gus fez questão de afirmar que o fato não se tratava de um imposição cultural. 

“Mesmo não concordando pessoalmente com esta prática, reconheço que não é meu direito impor ideias do Ocidente contra as pessoas que aqui vivem. O problema é que os cachorros não são bem tratados e ficam expostos ao frio e ao calor.”

De acordo com a HSIa Coreia do Sul é o único país asiático que ainda insiste na criação de cachorros para o consumo humano. Gus Kenworthy e o namorado vão levar para os Estados Unidos e Canadá cerca de 90 filhotes disponíveis para adoção.

New Olympics. Same me.

A post shared by gus kenworthy (@guskenworthy) on

Gus parece ser mesmo um amante dos animais, não é?

Guess I'm a cat guy meow. ?

A post shared by gus kenworthy (@guskenworthy) on

A good girl and a bad bitch. Who's who? ????

A post shared by gus kenworthy (@guskenworthy) on

Publicidade

Fotos: Instagram


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.


X
Próxima notícia Hypeness:
Paulo Vieira transforma ‘recebido’ por engano em comida grátis para quem vive na rua