Ciência

Beber vinho moderadamente reduz risco de Alzheimer, aponta estudo

por: Redacao_Hypeness

Publicidade Anuncie

Todo mundo sempre usou a desculpa de tomar algumas taças de vinho para espairecer, mas de acordo com uma nova pesquisa, a bebida realmente pode ajudar a limpar a mente, mas isso quando ingerido em uma quantidade moderada. O novo estudo, que foi publicado na revista Scientific Reports, mostra que baixos níveis de consumo de vinho eliminam a inflamação e ajudam o cérebro a eliminar as toxinas, inclusive as associadas à doença de Alzheimer.

“A ingestão prolongada de quantidades excessivas de etanol é conhecida por ter efeitos adversos no sistema nervoso central”, disse Maiken Nedergaard, Co-diretor do Centro de Neuromedicina Translacional do Centro Médico da Universidade de Rochester (URMC) e principal autor do estudo. “No entanto, neste estudo, mostramos pela primeira vez que baixas doses de álcool são potencialmente benéficas para a saúde do cérebro, ou seja, melhora a capacidade do cérebro para remover o desperdício”.

A descoberta soma-se a um crescente número de pesquisas que apontam para os benefícios para a saúde de baixas doses de álcool. Embora o consumo excessivo de álcool seja um risco para a saúde bem documentado, muitos estudos têm associado menores níveis de consumo de álcool com um risco reduzido de doenças cardiovasculares, bem como uma série de cânceres.

A pesquisa de Nedergaard centra-se no sistema glicifático, o processo de limpeza exclusivo do cérebro que foi descrito pela primeira vez por ele e seus colegas em 2012. Eles mostraram como o fluido espinhal cerebral (LCR) é bombeado para o tecido cerebral e afasta o lixo, incluindo as proteínas beta amilóide e tau que estão associados com a doença de Alzheimer e outras formas de demência. Pesquisas subseqüentes mostraram que o sistema glifotico é mais ativo enquanto dormimos, pode ser danificado por acidente vascular cerebral e trauma, e melhora com o exercício.

O novo estudo, que foi realizado em camundongos, analisou o impacto da exposição aguda e crônica ao álcool. Quando estudaram os cérebros de animais expostos a altos níveis de álcool durante um longo período de tempo, os pesquisadores observaram altos níveis de marcador molecular de inflamação, particularmente em células chamadas astrócitos, que são os principais reguladores do sistema glicifático. Eles também observaram comprometimento das habilidades cognitivas e habilidades motoras do animal.

Os animais que foram expostos a baixos níveis de consumo de álcool, análogos a aproximadamente 2 ½ copos de bebida por dia, realmente apresentaram menos inflamação no cérebro e seu sistema glicifático foi mais eficiente em mover CSF através do cérebro e remover o desperdício, em comparação com os ratos de controle que não estavam expostos ao álcool. A baixa dose de desempenho dos animais nos testes cognitivos e motores foi idêntica aos controles.

“Estudos demonstraram que a ingestão de álcool de baixo a moderado está associada a um menor risco de demência, enquanto o consumo excessivo de álcool durante muitos anos confere um risco aumentado de declínio cognitivo. Este estudo pode ajudar a explicar por que isso ocorre. Especificamente, baixas doses de álcool parecem melhorar a saúde geral do cérebro”.

Publicidade Anuncie

Imagens: Reprodução


Redacao_Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Quem tem ‘complexo de superioridade’ sabe menos que os mais humildes, aponta pesquisa