Ciência

‘Ingrediente secreto’ de batata frita do McDonald’s pode curar calvície, aponta pesquisa

por: Redação Hypeness

Não adianta correr para o McDonald’s mais próximo e se entupir de batatas a fim de combater a calvície, mas, apesar de um tanto curioso, trata-se de uma afirmação científica: um estudo da Universidade Nacional de Yokohama, no Japão, concluiu que um ingrediente secreto utilizado nas famosas batatas da rede de fast food pode levar à cura da calvície.

Trata-se do dimetilpolissiloxano, um agente químico acrescentado às batatas para evitar que elas produzam espuma no óleo na hora de serem fritas.

A equipe de pesquisa japonesa, especializada em células-tronco, testou o uso do agente em ratos, e o resultado foi positivo: os roedores desenvolveram folículos capilares novos, que rapidamente produziram cabelos. Por ser bastante permeável ao oxigênio, o agente permitiu a criação de cerca de 5 mil folículos simultaneamente.

Segundo a equipe, o resultado é extremamente promissor e indica que irá funcionar também em células humanas, com um ciclo de vida normal, como de um cabelo “natural”. A pesquisa, publicada na semana passada, avançou de fato depois que os cientistas desenvolveram HFGs, ou “germes do folículo capilar” – células que impulsionam esse desenvolvimento.


O cabelo crescendo em ratos de laboratório

A ideia é que em breve essa nova técnica possa melhorar bastante as terapias regenerativas para a queda de cabelo. Realmente não parecia possível que algo tão gostoso quanto as batatas fritas do McDonald’s não tivessem nada de bom para nós – mesmo que seja para curar a calvície.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Planta amazônica que pode agir contra tumor está sendo estudada por cientistas brasileiros