Debate

Agrotóxico recém liberado pela Anvisa pode causar danos graves ao sistema nervoso

por: Kauê Vieira

Protagonista na economia e política brasileira, o agronegócio atualmente é uma das principais fontes de crescimento do Brasil. Com expectativa de passar os Estados Unidos em pouco tempo, o setor ganha cada vez mais força e território. Outrora presente apenas em estados como Mato Grosso e Goiás, o agronegócio expandiu e hoje é possível se deparar com campos e pastos em regiões como a Amazônia.

Mas, com este crescimento vertiginoso, o setor está sendo alvo de críticas de defensores do meio ambiente pelo sistema de ação considerado predatório. Para se ter uma ideia, segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), em uma década a produção respondeu por 70% de todo o desmatamento na América Latina.

O Brasil permite o uso de 14 pesticidas proibidas mundialmente

Outro motivo de atenção é o uso dos agrotóxicos, estimulantes para o crescimento mais ligeiro de legumes, frutas e verduras. A quantidade de pesticidas no Brasil é tão grande, fazendo o país liderar o consumo mundial desde 2008. Detalhe, o país latino-americano estimula o uso de 14 substâncias proibidas mundialmente.

Agora, a Anvisa, (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) acaba de liberar o Benzoato de Emamectina, agrotóxico agressivo, vetado em território nacional desde 2010, por suspeita de causar sérios danos ao sistema nervoso. Especialmente para os que mantiverem contato direto com o produto, caso do trabalhadores rurais.

Na opinião do secretário de Defesa Agropecuária do Brasil, Luis Rangel, a perda de dinheiro precisa ser levada em conta. Segundo ele, com a proibição do Benzoato de Emamectina, o setor perdeu mais de R$ 11 bilhões.

“O produto foi avaliado pelo Ministério quanto à sua eficiência agronômica e conclui-se que ele está apto a entrar no mercado”.

Secretário de Defesa Agropecuária defende o uso de agrotóxicos nocivos para evitar prejuízos econômicos

Não é de hoje que o governo brasileiro incentiva o uso de pesticidas no território nacional, aliás a prática oferece algumas vantagens, como redução de 60% no ICMS – imposto associado com a circulação de mercadorias.

Apesar de ser um dos mercados mais poderosos e blindados do Brasil, o agronegócio não consegue de proteger totalmente de protestos, como da cozinheira e apresentadora Bela Gil, que liderou campanha de conscientização da população sobre a ingestão de agrotóxicos.

O movimento foi pensado para que a população se opusesse ao uso do carbofurano, composto utilizado no combate de pesticidas em lavouras de algodão, feijão, banana, arroz e milho. Para ter noção da importância da informação, antes do texto de Bela, a consulta pública realizada pela Anvisa se mostrava favorável à continuação do agrotóxico. Mas, o resultado acabou sendo revertido pela ativista em questão de horas.

Em seu site oficial, a Anvisa afasta os riscos à saúde humana do Benzoato de Emamectina. Porém, o órgão não dá muitos detalhes sobre os possíveis efeitos citados nesta reportagem e se restringe apenas a informações técnicas sobre o uso do agrotóxico.

“Para serem utilizados no Brasil, os agrotóxicos devem ser registrados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), atendendo as diretrizes e exigências dos órgãos responsáveis pelos setores da saúde, do meio ambiente e da agricultura. Neste processo, a Anvisa é responsável pela avaliação dos aspectos toxicológicos e de risco de exposição a este tipo de produto, o Ibama pelos aspectos ecotoxicológicos e a eficiência agronômica do produto é avaliado pelo Mapa.”

Publicidade

Fotos: foto 1: Wikimedia Commns/foto 2: Reprodução/YouTube


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Emílio Surita faz piada machista com Greenwald após briga com Nunes e é detonado nas redes