Roteiro Hypeness

Fui matar a fome no churrasco do No Bones, o 1º açougue vegano de SP

por: Joao Rabay

Publicidade Anuncie

A transição alimentar para o vegetarianismo ou o veganismo nem sempre é fácil. Marcella Izzo sentiu isso na pele: não que ela sentisse falta da carne, mas o sabor das receitas à base de soja não a agradava muito. Depois de criar pratos mais variados que empolgavam as amigas, ela decidiu que poderia atingir mais pessoas com o mesmo problema.

Foi assim que surgiu a ideia para criar o No Bones, o primeiro açougue vegano do estado de São Paulo, do qual ela é sócia ao lado do namorado, Brunno Barbosa. Após pouco mais de um ano fazendo sucesso com os pratos congelados, os dois decidiram passar a servir as receitas de Marcella na garagem localizada na Rua Caraíbas, na Pompeia, zona oeste de São Paulo.

Fachada do No Bones (Foto: Divulgação)

Fomos até o No Bones para conferir a novidade e bater um papo com a Marcella, que adora conversar com os clientes, seja sobre veganismo ou outros assuntos. Para começar, ela explica sobre o conceito de açougue vegano: “Nós trabalhamos com cortes de origem vegetal, que lembram os tradicionais. Como o hambúrguer, a picanha, presentes no açougue convencional. Independente da matéria prima, se são cortes, somos um açougue. Sem nada de origem animal”.

Toda a produção dos alimentos é feita de forma artesanal seguindo as instruções de Marcella, numa cozinha próxima ao açougue. O sucesso tem sido tão grande que eles se preparam para mudar a cozinha para um local maior, além de terem aberto uma filial em Niterói, no Rio de Janeiro.

Costelinha de cogumelos ao barbecue

Entre os pratos vendidos e servidos estão a picanha vegetal, à base de arroz vermelho e beterraba, com queijo de batata para simular a gordurinha; a costelinha de cogumelos eryngui com barbecue; o ‘caveman meat’, mix de feijões com batata doce para simular um osso; e o carré de quinoa preta com shimeji, também com ‘osso’ de batata doce.

Há também salsichas de tomate seco, batata, cenoura e beterraba e de alho; linguiças à base de feijão branco com cogumelo eryngui, com e sem pimenta, e de espinafre com ervas finas, além de seis opções de hambúrguers: de grão de bico, quinoa com ervas finas, feijão preto com azeitona, feijão azuki com cenoura e ervas, lentilha vermelha com gengibre e aveia e de ervilha com cenoura e especiarias.

‘Caveman Meat’, à base de mix de feijões

As refeições variam entre R$19,90 (hambúrgueres ou espetinho de legumes), R$29,90 (carré ou caveman meat) e R$39,90 (picanha vegetal ou costelinha de cogumelos). Todos os pratos acompanham porções de batata palito e pão com alho.

Marcella e Brunno trabalham com o conceito de slow food: os pratos, assados ou grelhados na pedra, demoram de 25 a 60 minutos para ficarem prontos, dependendo da quantidade de clientes esperando pelas refeições. Durante a espera, vale a pena experimentar os refrigerantes orgânicos ou as cervejas veganas, curtindo um papo nas mesas colocadas na calçada ou no terraço.

(Foto: Divulgação)

Para quem não pode sentar e esperar, há opções de salgados, como a clássica coxinha de jaca. Aliás, o No Bones vende pacotes de carne de jaca desfiada, sem tempero, bem prático para quem quiser testar receitas em casa.

E por que simular os cortes de carne com receitas veganas? Marcella explica que o churrasco é uma reunião prática, um ritual, não apenas uma forma de alimentação. “A gente quis trazer a praticidade para o vegetariano e o vegano conseguirem se incluir, e também mostrar aos carnistas que todo esse leque existe”.

Além disso, eles atendem àqueles na transição, que podem sentir falta de memórias afetivas do churrasco: “’Ah, eu sinto falta do visual’. Aqui a gente trabalha com o visual. ‘Ah, sinto falta do cheirinho de defumado’. A gente tem aqui. É pra todo mundo que está na transição, ou que quer experimentar algo diferente, ou mesmo deixar de excluir pessoas da vida social por causa dos hábitos alimentares que o No Bones está aqui”, conclui.

 

No Bones
Local: Rua Caraíbas, 1243. Pompeia, zona oeste de São Paulo
Horário de funcionamento: Segunda a sexta, das 10h às 20h; Sábados, das 10h às 18h

Publicidade Anuncie

Fotos sem crédito: © Hypeness


Joao Rabay
Gosta de ler boas histórias para aliviar a mente no meio de tantas notícias ruins. Ainda acredita que elas podem inspirar boas mudanças e fica feliz quando pode contá-las.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Com festas, shows e jogos, Bud Basement é o lugar para ver os jogos da Copa do Mundo