Cobertura Hypeness

Os momentos decisivos do Lollapalooza 2018

por: Camila Garófalo

Publicidade Anuncie

Um grande festival tem papel muito importante na carreira de toda e qualquer banda. Muitas vezes torna-se, inclusive, fator decisivo sobre os próximos passos a partir dali. No Lollapalooza 2018 não foi diferente. Foram mais de 70 grupos mostrando seu trabalho com afinco em quatro palcos levantados no Autódromo de Interlagos: Onix, Axe, Budweiser e Perrýs by Doritos.

Estive lá no segundo dia de festival e fiquei por dentro de alguns dos espetáculos (e também dos bastidores). Entre alguns dos momentos históricos estava o lançamento do novo disco de Mano Brown,  líder dos Racionais ou o encerramento do ciclo da banda Ventre, que anunciou uma pausa em suas atividades no dia anterior ao show.

No sábado, dia 24, cheguei logo após do show da Liniker e os Caramelows e fiquei sabendo que um problema técnico teria sido o motivo do encerramento antecipado do show. Assim como esta, outras situações impactam (e muito!) a vida do artistas e do público envolvido num evento como esse.

Eu, por exemplo, saí perplexa do show do David Byrn. Performático, o cantor-coreógrafo de 66 anos apresentou um show diferente chamado “America Utopia”: uma espécie de yoga musical em que todos os integrantes da banda tocavam e dançavam com os instrumentos acoplados em seus corpos, incluindo os bateristas, referência feita às escolas de samba.

Logo antes dele, o trio brasileiro O Terno apresentou seu show especial com metais no Palco Axe. É difícil competir com eles no quesito direção de arte que, bombardearam os telões com cores saturadas em contraste com o cinza do horizonte de SP. O trio retornou “melhor do que parece” ao palco do Lolla quatro anos após sua apresentação e certamente muito frutos serão colhidos agora.

Para mim um momento especial foi meu encontro com o jornalista e crítico musical Marcelo Costa do Scream & Yell que elogiou a melhor ocupação da área na edição deste ano: “A gente tinha uma preguiça de atravessar o Lolla no ano passado. Agora os palcos estão mais próximos”, opina. Realmente este é um “detalhe” muito importante já que nesse ano consegui assistir mais shows do que no ano passado, tudo por conta dessa proximidade entre os palcos.

Em meio à todas essas aventuras teve um momento emocionante na sexta-feira: os cearenses da banda Selvagens à Procura da Lei dedicaram a canção “Despedida” ao produtor musical Miranda, que faleceu alguns dias antes do festival. Muitas outras emoções foram compartilhadas no Autódromo de Interlagos mas seria impossível descrevê-las todas nesse breve texto que tem a humilde intenção de pontuar apenas algumas. Sendo assim, obrigada pelos ouvidos.

Todas as fotos dessa matéria são de autoria de MROSSI e I Hate Flash*

Publicidade Anuncie


Camila Garófalo
Camila Garófalo é cantora, compositora e publicitária. Produz sua própria carreira e escreve sempre que sente vontade. Tem um único vício: comunicar-se.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Tecnologia transforma sulcos em acordes tocados por um piano como um LP em uma vitrola