Matéria Especial Hypeness

Reciclagem e empoderamento: mulheres catadoras sustentam milhares de famílias com latas de alumínio no Brasil

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

O empoderamento feminino já pode ser visto como uma das mais importantes afirmações sociais do século 21. Para que esse debate não fique apenas ao campo das ideias, no entanto, é preciso que ele rompa todo tipo de fronteira, e aconteça nas mais diversas camadas profissionais, sociais e geográficas – sublinhando a necessidade por igualdade e direitos para todas.

Um dos grupos profissionais mais engajados no Brasil atualmente em tais questões é o dos catadores de lata – um trabalho que não só ajuda na proteção ao meio ambiente e limpeza das cidades em geral (impactando também na geração de empregos) como sustenta famílias inteiras, reciclando a lata e transformando-na em sobrevivência, dignidade, afirmação e luta. Dentro desse movimento, a questão da mulher catadora vem se tornando central.

No universo da catação de material reciclável, o papel da mulher é de protagonismo: hoje, as mulheres são maioria, representando entre 60% e 70% dos profissionais da área em atividade no Brasil. Como em qualquer outra profissão, em especial entre as mulheres mais pobres, o trabalho dessas lutadoras não se encerra necessariamente quando o expediente termina – além de trabalharem na coleta, triagem e reciclagem, muitas ainda precisam exercer o papel de mãe e, muitas vezes sozinhas, cuidarem dos filhos e da casa.

Por ser o item mais reciclado e de maior valia, a lata é o principal meio de sustento desse ofício  Feitas de alumínio e infinitamente recicláveis, anualmente a indústria da lata retorna seus produtos à prateleira em cerca 60 dias, em um processo circular. Trata-se de uma conquista brasileira bastante especial, pois por aqui quase a totalidade das unidades de latas produzidas (em torno de 98%) é de fato reciclada.

Se muitos profissionais são fundamentais para que esse processo e toda essa indústria – que movimenta mais de 1 bilhão de reais anualmente no Brasil – funcione, podemos assumir que a estrela dessa conquista são as catadoras. Para se ter uma ideia, essa indústria é localmente fundamental para a sobrevivência de 400 a 600 mil profissionais em atividade. Segundo a catadora Guiomar Conceição dos Santos, da Cooperativa Sempre Verde, o valor arrecadado ainda é abaixo do que a classe precisaria e gostaria, mas ela vive orgulhosamente deste trabalho.

Guiomar entre os catadores da Sempre Verde

“Eu sobrevivo há aproximadamente 25 anos só da reciclagem”, afirma Guiomar. “Criei três filhas, tenho uma formada na faculdade e duas terminaram o ensino médio”, diz a catadora.

O valor arrecadado depende do material reciclado, e Guiomar confirma que o alumínio é o mais valioso material dentro da reciclagem – cerca de R$ 4,00 o quilo. Plásticos em geral arrecadam uma média de R$ 1,40 por quilo, enquanto celulose, em torno de R$ 0,35 centavos. “O valor não é o que eu gostaria mas dá pra viver. Me sinto orgulhosa com meu trabalho”, afirma Guiomar, que é presidente da Cooperativa Sempre Verde, em São Paulo.

Para resistirem às crises econômicas e as desigualdades em geral, a categoria dos catadores se tornou especialmente organizada, em nível nacional ao redor do MNCR, o Movimento Nacional dos Catadores de Material Reciclável, e da Associação Nacional de Catadoras e Catadores de Material Reciclável, a Ancat, através de diversas cooperativas como a de Guiomar, que é também uma liderança dentro do MNCR.

“A organização está sendo bem produtiva e de fortalecimento para nós, mulheres. Através da organização estamos descobrindo o nosso potencial em vários aspectos”, lembra Guiomar, que aponta a luta por direitos não só como uma causa que visa a igualdade e a valorização da profissão, como também uma luta por condições melhores de vida, para que assim possa melhorar a realização do próprio trabalho. “Lutamos para garantir vagas em creches e escolas para nossos filhos, para que possamos trabalhar com a cabeça tranquila”, diz ela.

Dentro do movimento, o projeto Mulher Catadora é Mulher que Luta visa justamente reconhecer a força dessa maioria feminina, para que elas ocupem espaços de decisão e possam influenciar políticas públicas, entre as diversas cooperativas que trabalham com as catadoras em todo o país.

É fato que a profissão de catadora é fundamental para uma cidade mais sustentável e para a luta por igualdade social e de gênero. Ainda assim há, é claro, muita luta pela frente – especialmente em um país tão grande e populoso como o Brasil e que produz tanto lixo e culturalmente não o destina da forma correta.

Latinha é bom demais. Lembra verão, festa, carnaval. Latinha é reciclável, é sustentável, é geração de renda. Latinha é empoderamento. Latinha gela rápido, preserva o sabor e é pura praticidade e estilo. 

Por isso, o Hypeness e a Ball, uma das maiores fabricantes de latinhas do mundo, uniram forças para criar um Canal especialmente dedicado a reverberar a campanha #vadelata. Vamos juntos consumir de forma mais consciente, pensando sempre no nosso conforto, mas também no melhor para o meio ambiente? Para mais informações sobre esse tema siga a campanha no Facebook  e Instagram.

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação/reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Embalagens plásticas viraram moeda e puderam ser trocadas por comida neste café