Debate

Tabu: clipe sobre orgasmo feminino de Flaira Ferro é removido do YouTube

por: Kauê Vieira


A cantora Flaira Ferro lançou recentemente o clipe da música Coisa Mais Bonita, que apresenta imagens de oito mulheres atingindo o orgasmo. Dirigido por Dea Ferraz, o intuito do vídeo é promover um debate e a defesa da liberdade sexual feminina.

Com mais de 60 mil visualizações, o conteúdo lançado na última terça-feira (13), foi removido no dia seguinte pelo YouTube, alegando que o vídeo “violava as políticas sobre nudez ou conteúdo sexual” da plataforma.

O grande problema é que as imagens da música Coisa Mais Bonita não apresentam cenas de nudez. Na verdade, as oito mulheres, de cores, estilos e formas diferentes, encenam um ato de masturbação até o gozo. Tudo focado em suas expressões faciais.

A autora do clipe aponta o conservadorismo como responsável pela retirada do ar

Composição de Flaira Ferro, a letra da música pretende, como foi dito acima, ressaltar a necessidade do autoconhecimento feminino e com isso estimular o prazer entre mulheres de idades diferentes. Para ela, uma parcela reacionária e conservadora da população teve participação na retirada do clipe.

“Não tem nenhum tipo de sexualização. Se fosse um homem falando do desejo pela mulher, isso não teria essa repercussão,” criticou em entrevista ao UOL.

A cantora ainda recorreu ao Instagram para criticar o que chama de censura por parte do YouTube e pediu a volta do conteúdo ao ar.

“Tempos de censura, mores! Depois de 24 horas no ar com mais de 60 mil visualizações, nosso clipe foi removido mesmo sem conter NENHUM conteúdo de nudez ou violação de direitos. NÃO VÃO NOS CALAR! NÃO ME VEM COM TARJA PRETA! Preciso de vocês! Vamos geral botar AGORA a boca no trombone, na internet, nas redes de vcs, pedindo a volta do clipe! Usando as hashtags #COISAMAISBONITA e #VOLTACLIPE”


Publicidade

Foto: Reprodução/YouTube


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Há 4 anos sem sexo, cantor Netinho ataca comunidade LGBTQ+ e Carnaval