Arte

Dinamarca inaugura primeiro monumento em homenagem às mulheres negras

por: Kauê Vieira

Dona de uma população pequena de homens e mulheres negras, a Dinamarca foi palco de uma atitude inspiradora. Com intuito de honrar o legado de Mary Thomas, uma artista plástica resolveu construir uma estátua de mais de 7 metros de altura da Rainha Mary.

Inspirada na famosa fotografia do líder e co-fundador dos Panteras Negras Huey P. Newton, o monumento inaugurado em Copenhague retrata Mary sentada em um trono em posse de uma tocha e uma ferramenta usada para cortar cana.

Passando uma sensação de imponência e liderança, a primeira estátua pública de uma mulher negra em um país dominado por figuras brancas, é de autoria da artista La Vaughn Belle, nascida em Trinidad e Tobago, que garante “o projeto chega para transformar a memória e o pensamento coletivo na Dinamarca”.

‘Rainha Mary’ foi uma das maiores revolucionárias da Dinamarca

Mary Thomas ficou eternizada como uma das três rainhas, que ao lado de outras duas mulheres, chefiou um importante levante, conhecido como Fireburn, em 1878 nas Ilhas Virgens Americanas, à época comandadas pelo país dinamarquês.

“Queen Mary, ah where you gon’ go burn?
Queen Mary, ah where you gon’ go burn?
Don’ ask me nothin’ t’all
Just geh me de match an oil

“Rainha Mary, o que você vai queimar?

Rainha Mary, o que você vai queimar?

Não me pergunte nada.

Me dê apenas o fósforo e a gasolina

Bassin Jailhouse, ah deh de money dey”

Considerada como a maior revolta trabalhista da história da Dinamarca, o acontecimento resultou na queimada de 50 plantações de cana, a maioria delas nas cidades de Frederiksted e St. Croix. A revolta aconteceu em função de uma lei governista que além de ignorar o fim da escravidão, impedia que negros trabalhadores das plantações pudessem negociar salários melhores.

O trabalho é de autoria da artista La Vaughn Belle

A inauguração simbólica marca o encerramento da celebração anual para lembrar a venda das Ilhas Virgens para os Estados Unidos em março de 1917 por cerca de 25 milhões de dólares.

A Dinamarca proibiu oficialmente o tráfico de escravizados em 1792, contudo a medida seguiu ignorada até meados de 1848. Ou seja, apenas depois de 11 anos a escravização de homens e mulheres negras teve fim, muito em função da revolta comandada por Mary Thomas. Aliás, este desrespeito foi seguido por outros países, como o próprio Brasil, que mesmo após a abolição da escravidão em 13 de maio 1888, manteve a prática criminosa.

O monumento da ‘Rainha Mary’ foi comparado ao do co-fundador dos Panteras Negras, Huey P. Newton

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/Nick Furbo/foto 2: Reprodução/Site Oficial/foto 3: Reprodução/foto 4: Virgin Islands Daily News


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Festival Marighella critica censura a filme com bandas, saraus e intervenções