Sustentabilidade

Mitos e verdades sobre embalagens: qual é mais segura para a saúde e o meio ambiente?

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

Nos tempos de hoje, ninguém está livre de ser difamado ou impactado pelas fake news. Notícias falsas muitas vezes se tornam tão ou mais populares do que as verdadeiras, e acabam servindo de base para crenças que consideramos não só reais como fundamentais para corroborar hábitos e decisões. Algumas máximas que acreditamos e pensamos ser para o nosso bem muitas vezes não passam de boatos infundados.

E não são somente políticos e celebridades as maiores vítimas dessas fake news. A cada vez que uma mentira se cristaliza no repertório coletivo como verdade, todos saímos prejudicados.

E se sustentabilidade, e todos os demais temas que envolvem a preservação do meio ambiente e dos recursos naturais em prol das próximas gerações, são assuntos fundamentais hoje e para o futuro, eles não fogem à regra e também estão sujeitos a isso.

Neste sentido, a lata de alumínio, suas características e o impacto ambiental que esta e outras embalagens provocam devido ao intenso consumo global são pontos que merecem ser esclarecidos.

São diversas as pesquisas e estudos que comprovam que a latinha de alumínio é a embalagem ecologicamente mais correta e mais segura para nosso consumo, mas muitas inverdades e mitos ainda povoam nosso imaginário a respeito desse material – e a maior vítima é mesmo o meio ambiente e, consequentemente, nós mesmos. Como o futuro muito nos interessa, embalados pela campanha #VáDeLata, separamos aqui 10 pontos importantes, entre verdades e mentiras, sobre a latinha que com certeza você já ouviu falar e que agora vai saber se são verdades mesmo ou grandes mentiras.  

1. Não é seguro beber em latinha – MENTIRA

A lata propriamente não transmite nenhuma doença nem prejudica nossa saúde em qualquer sentido. É claro que, assim como qualquer outra embalagem, ela está sujeita às condições de higiene de quem as transporta e armazena, como os supermercados, bares, restaurantes e estabelecimentos comerciais. Mas vale reforçar que a superfície do alumínio, em condições normais, é lisa, seca e sem nutrientes, não oferecendo ambiente propício para a sobrevivência e a multiplicação de microrganismos. O uso do alumínio aumenta a proteção dos alimentos e, nas embalagens de medicamentos, por exemplo, contribui para minimizar riscos de contaminação e violação dos produtos.

2. Beber na lata aumenta o contato com o alumínio, que é um metal pesado e é prejudicial à saúde – MENTIRA

É a própria Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) que garante que o alumínio do qual as latinhas são feitas não traz risco algum a nossa saúde. Pesquisas comprovam que o alumínio a que estamos expostos diariamente não causa nenhum efeito nocivo à saúde humana e o  nosso organismo tem eficientes barreiras que praticamente impedem a absorção deste metal. Por isso, pode beber sua latinha geladinha sem preocupação!

Fonte: Anvisa

3. Cerveja em lata é ruim – MENTIRA

É claro que gosto é algo pessoal, intransferível e, na prática, indiscutível. Mas o que é possível mensurar a respeito da interferência da embalagem no sabor real da cerveja já que o líquido que abastece latinhas e garrafas de vidro é o mesmo?  Técnica e objetivamente, a latinha preserva mais e melhor o sabor da bebida já que não permite a incidência de luz e dificulta o contato do líquido com o oxigênio. E por que isso, no caso das cervejas é ainda mais crítico? Porque em contato com a luz, a cerveja perde as suas características – um efeito conhecido como light-struck (degradação da molécula que dá amargor ao lúpulo). O frescor e a pureza do gosto se dão, com isso, mais na latinha do que na garrafa de vidro – o resto é hábito ou propaganda.

4. Bebida em lata tem a mesma quantidade de gás que em garrafa – VERDADE

A quantidade de gás em uma bebida é mensurada de acordo com a necessidade para se manter a qualidade e o sabor em cada embalagem. Logo, de forma proporcional, o gás em lata ou em vidro resultam na mesma qualidade de bebida. A latinha, no entanto, possui a melhor capacidade de vedação entre todas as embalagens do mercado, o que mantém ainda mais o gás e o sabor original de sua bebida preferida.

5. A lata não altera o gosto da bebida – VERDADE

Além de vedar e impedir a entrada de luz, o interior das latas de alumínio é selado por um verniz sem cheiro ou sabor utilizado com o único e fundamental objetivo de preservar o gosto e as características das bebidas embaladas. Sendo a embalagem que melhor impede alterações na qualidade do líquido, a lata definitivamente não altera o sabor.

6. A lata não gela a bebida tão bem quanto as garrafas – MENTIRA

Sendo o alumínio um excelente condutor térmico, a lata gela não só mais rapidamente como de forma mais uniforme que qualquer outra embalagem no mercado. Pode fazer o teste: aproveite uma festa ou um churrasco e comprove, colocando no gelo suas latinhas para ver como sairão estupidamente geladas em pouco tempo. Se preferir, teste a técnica de resfriamento relâmpago para latas que divulgamos recentemente.

Fonte: Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens (Cetea)/Abralatas

7. Vidro retornável é mais sustentável que a lata – MENTIRA

A sustentabilidade de uma embalagem não se restringe ao produto final sendo utilizado, mas a todo o processo de produção e o ciclo que envolve o produto, da fabricação ao despejo após o consumo. Na verdade, a reciclagem da lata é mais limpa que a do vidro por alguns motivos: primeiro que se considerarmos a reciclagem de materiais necessários para envasar mil litros de bebida, a massa de materiais com base em vidro é muito maior do que massa em alumínio, o que significa que proporcionalmente precisamos gastar muito mais energia para reciclar garrafas de vidro do que latas, mesmo considerando as reutilizações de garrafas retornáveis – e quanto mais energia consumida, maior a pegada de carbono.

Outro ponto é que o alumínio reciclado consome apenas 5% de energia elétrica para ser produzido quando comparado com a produção do alumínio primário, enquanto o vidro consome 70%. E, por fim, e mais importante, apesar do vidro ser um material 100% reciclável, ainda se recicla muito pouco no Brasil (em torno de 47%), enquanto 98% das latinhas de alumínio são efetivamente recicladas e retornam em 60 dias para o mercado.


8. As promoções em que se trocam os anéis das latinhas por cadeiras de rodas são falsas – MENTIRA

Tais promoções não só existem como funcionam e são importantes. A Ball, empresa de embalagens para bebidas, por exemplo, irá participar a partir de abril de uma campanha interna da empresa em todo o planeta, chamada Recycling Challenge, que no Brasil irá engajar seus funcionários a justamente reunir os anéis para convertê-los em cadeiras de rodas. Não é preciso, no entanto, ser funcionário da Ball para participar – você pode juntar os anéis e doá-los diretamente ao Núcleo de Apoio a Projetos Educacionais e Culturais (Napec), do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, Crianças e Adolescente Fernandes Figueiras, no Rio, e em outros estados, uma boa opção é acionar a ONG Entre Rodas, que atua em âmbito nacional e também recebe doações. Fonte: IFF/Napec

Latinha é bom demais. Lembra verão, festa, carnaval. Latinha é reciclável, é sustentável, é geração de renda. Latinha é empoderamento. Latinha gela rápido, preserva o sabor e é pura praticidade e estilo. 

Por isso, o Hypeness e a Ball, uma das maiores fabricantes de latinhas do mundo, uniram forças para criar um Canal especialmente dedicado a reverberar a campanha #vadelata. Vamos juntos consumir de forma mais consciente, pensando sempre no nosso conforto, mas também no melhor para o meio ambiente? Para mais informações sobre esse tema siga a campanha no Facebook  e Instagram.

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Julho sem plástico: ela quer criar a primeira loja lixo zero do Brasil – e você pode ajudar