Inspiração

‘Não adianta só prender’, diz delegado que ajudou a mudar a vida de usuária de crack

por: Redação Hypeness


No Hypeness já debatemos a urgência de um tratamento humanista de infratores e sobretudo de usuários de drogas. A dependência química é um problema que assola uma parcela considerável da população brasileira e ao contrário do que se possa pensar, se livrar do vício não é um tarefa simples e tampouco vai ser resolvida apenas com a força policial.

Com um crescimento vertiginoso nos últimos anos, o crack se tornou uma epidemia nas grandes e pequenas cidades do Brasil. O símbolo maior é a Cracolândia, região no centro de São Paulo e abrigo de centenas de usuários da droga, que enquanto sanam as necessidades impostas pelo vício, vagam pelas ruas da maior cidade da América Latina em condições degradantes.

Entre uma série de ações frustradas do poder público, que insiste na militarização como estratégia de uma aparente solução simples para um problema tão complexo, um delegado está dando exemplo de humanidade. Ao prender Regiane, usuária de crack por mais de seis anos, o delegado Carlos Miranda resolveu ajudá-la a mudar sua vida completamente.

Regiane teve sua vida transformada com o auxílio de um delegado de polícia

Depois de ser solta durante audiência de custódia, Regiane, na época grávida, ouviu de Carlos uma proposta para que participasse de uma campanha de arrecadação de roupas, leite, fraldas, tudo para ajudá-la na retomada do controle da própria vida.

A ação foi recebida com elogios e doações estão chegando de todos os cantos do mundo. Literalmente, já que pessoas no Japão estão enviando mantimentos para auxiliar Regiane e o pequeno Matheus. Para o delegado Carlos Miranda, a atitude foi tomada para reafirmar a função social da polícia.

“Não adianta só prender. A gente tem que ter uma responsabilidade social também”, comentou ao Razões para Acreditar.

Ignorado pelo Estado e uma parcela da população, a epidemia do crack, que só em 2016 cresceu 160% em São Paulo, é um dos maiores exemplos das questões sociais que assolam o país há séculos.

O Estado insiste na militarização para combater o crack

Por ser uma droga considerada barata e de fácil acesso, o crack é usado em sua maioria por pessoas das classes mais baixas, muitas vezes em uma situação de vulnerabilidade social e por fim, grande parte dos usuários são formados por negros. Falando no programa Roda Viva, da TV Cultura, o médico Drauzio Varella assinala a necessidade um mudança de pensamento da sociedade.

“A visão da sociedade sobre o crack é míope. Elas veem aquelas pessoas naquele estado de degradação e dizem que aquilo tem que acabar. Mas o problema não é o usuário. Quando ele chega naquele estado, aquilo vem de muito longe. São pouquíssimas as pessoas de classe média que estão na Cracolândia e gigantesca a quantidade daqueles que vêm de classes sociais mais pobres, com uma condição de vulnerabilidade total. Nós temos uma ordem social que facilita a formação desses cânceres no centro das cidades”, finaliza.

Polícia tem função social sim

 


Olá pessoal! Bom dia! Peço escusas para aqui contar algo que começou muito triste e, ao final, se tornou uma história feliz e de superação. Estes são a Regiane e seu filhote Matheus, com poucas semanas de vida. A Regiane me autorizou contar a história dela, com o intuito de obtermos doações para o Matheus! Pois bem, serei direto. Prendemos a Regiane em flagrante, pelo crime de furto de um aparelho celular, há alguns meses atrás. Regiane praticamente vivia na rua, e na época, me chamou atenção o fato dela estar grávida. Muito magra, devido ao vício em crack, me disse que estava furtando para sustentar seu vício, o que, infelizmente, não é incomum na região onde trabalho e em tantas outras zonas periféricas. A situação de Regiane obviamente nos comoveu bastante e, após ser solta na audiência de custódia, veio pegar seus pertences e iniciou-se uma relação de amizade entre ela e nós policiais do 47o DP. Regiane parou de usar drogas, gradualmente, recebendo assistência de sua família e novos amigos. Com a graça de Deus, Matheus nasceu bem e com saúde, apesar dos riscos que o uso de entorpecentes gera ao feto. Agora precisamos unir as pessoas de bem, e angariar doações daquilo que o Matheus mais precisa no momento: fraldas (tamanhos P a G), lenços umedecidos, leite em pó para recém-nascidos e até um ano e roupinhas de bebê, tamanho M em diante. As doações podem ser recebidas aqui mesmo no 47o DP, Capão Redondo, só procurar a Chefia de Investigadores. Mais informações forneço inbox a quem puder ajudar esse pequenino irmão que Deus nos deu. Obrigado a todos!

A post shared by Carlos Miranda (@delta_cm) on


Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/foto 2: Wikimedia Commons/foto 3: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
Maradona morre aos 60 anos: o legado de Don Diego, semi-Deus do futebol