Debate

‘Não tenho estômago’, diz Gusttavo Lima sobre trocar fraldas do filho

por: Kauê Vieira

Publicidade Anuncie

O cantor Gusttavo Lima é pai há cerca de 9 meses. A criança, fruto de sua relação com Andressa Suita, provocou uma série de mudanças em sua vida. Pelo menos foi o que disse em entrevista ao TV Fama, da Redetv.

Durante a conversa o cantor, que vive a expectativa para o nascimento do segundo filho – Andressa está no quinto mês de gestação, revelou que está mais caseiro e que dedica o pouco tempo de folga para estar com o bebê. Mas, em meio aos aprendizados da paternidade, Gusttavo disse não se habituar em trocar as fraldas do pequeno. “Tenho estômago um pouco fraco pra isso”, justificou.

Ué, mas será que Andressa também não tem esta dificuldade? Aliás, somente os homens têm ‘nojinho’ de trocar as fraldas?  Talvez a fala de Gusttavo Lima reflita a naturalização do machismo, que entre outras coisas, delega para a mulher as obrigações acerca dos cuidados com as crianças.

“A única coisa que eu não consegui ainda foi limpar o cocô. Minha sogra me ajuda muito lá em casa. Ela vai pra lá quando eu tô viajando, fica com a Andressa, com o nenê. Quer que eu faça dormir eu faço, quer que faça mamadeira eu dou mamá. Agora o bumbum, meu estômago é muito fraco. Eu não dou conta. Outra coisa eu faço, só trocar o cocô que eu não dou conta ainda”, revelou Gusttavo afirmando acreditar que o garoto vai falar primeiro a palavra pai“Eu converso muito com ele”, declarou. 

Gusttavo Lima disse ter estômago fraco pra trocar fraldas do filho

Quem nunca ouviu aquela frase antiga de que a mãe faz o papel de vilã e o pai de bom moço? Para muitos isso se dá pelo fato da mulher assumir a maior parte das responsabilidades, como trocar fraldas ou marcar presença nas reuniões escolares. Enquanto isso, o pai é responsável pelos passeios e brincadeiras.

Falando ao Carta e Educação da revista Carta Capital, psicóloga e coordenadora do Laboratório da Família Universidade de São Paulo, Belinda Mandelbaum, explica que o Brasil ainda é marcado por um modelo patriarcal de família. Ou seja, o homem se coloca como provedor e a mulher a responsável pelos cuidados domésticos, incluindo as crianças.

“Apesar dos avanços conquistados, principalmente, a partir de meados do século XX, com a emancipação das mulheres com a luta feminista e, consequentemente, a conquista de novos espaços como o mercado de trabalho e a universidade, os valores da nossa sociedade não evoluíram na mesma velocidade”, argumenta.

Aliás, o machismo está intrínseco quando se trata de licença-maternidade por exemplo. Nos dias de hoje ainda é comum se deparar com mulheres que, com o medo de perder o emprego, encontram dificuldades em exercer o direito previsto em lei aos 180 dias de licença maternidade.

Por isso, a equidade de gênero é tão importante. Ou seja, é preciso que o pai assuma suas obrigações na criação dos filhos. Nesse sentido, a PL que prevê a presença deles em consultas e exames durante o período de gestação é um passo importante.

Para que posições paternalistas como a do cantor Gusttavo Lima deixem de ser reproduzidas, é fundamental que a sociedade se atente para o dever dos homens no desenvolvimento da criança. E isso passa inclusive por trocar uma fralda.

Publicidade Anuncie

Foto: Wikipedia


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Pussy Riot: o importante papel das autoras da invasão da final numa Rússia ultra sexista