Inovação

Por conta dos caçadores, ursos estão cuidando mais tempo de seus filhotes

por: Redação Hypeness

Ao longo dos anos, vários pesquisadores notaram uma mudança na forma como os ursos pardos cuidam de seus filhotes. A Suécia tem uma das taxas de reprodução de ursos mais rápidas do mundo e parece que as fêmeas têm passado mais tempo com seus filhotes.

“Precisávamos fornecer evidências e isso desencadeou novas perguntas”, disse Joanie Van de Walle ao National Geographic, aluna de doutorado no Departamento de Biologia da Université de Sherbrooke, em Quebec, Canadá.

Van de Walle faz parte de uma equipe internacional de pesquisadores que analisou décadas de dados sobre populações de ursos pardos na Suécia para investigar essa tendência. Seguindo as vidas de centenas de ursos, os pesquisadores determinaram que mais mães estão criando seus filhotes por mais um ano do que no passado.

Evolutivamente, não faz sentido para a vida selvagem ter menos filhos e cuidar deles durante um longo período de tempo. Ao enfrentar uma alta pressão de caça, parece lógico que os ursos pardos tenham o maior número possível de filhotes, mas as descobertas da equipe contradizem isso.

Os pesquisadores analisaram 22 anos de dados, seguindo mais de 500 ursos, muitos deles desde o nascimento até a morte. Antes de 2005, eles descobriram que apenas cerca de sete por cento das mães escandinavas mantinham seus filhotes por um ano e meio. Entre 2005 e 2015, o estudo descobriu que mais de 36% das fêmeas mantêm seus filhotes por um ano a mais. Embora a quantidade de tempo gasto com seus filhos esteja mudando, as estratégias que as mães estão usando para criar seus filhotes não estão.

A pressão da caça na Suécia é alta e os pesquisadores ficaram surpresos com esses resultados. Mas quando relacionados a uma lei relativamente recente que torna ilegal a caça a ursos que sejam mães na Suécia, os dados fazem mais sentido. Ficar em grupos familiares proporcionaria uma situação vantajosa para as fêmeas levarem uma vida mais segura protegida dos caçadores, ao mesmo tempo que lhes permitiria mais tempo para cuidar de seus filhotes.

“Uma única fêmea na Suécia tem quatro vezes mais chances de ser baleada do que uma com um filhote”, disse Jon Swenson, professor do Departamento de Ecologia e Gestão de Recursos Naturais da Universidade Norueguesa de Ciências da Vida, em um comunicado à imprensa.

Cuidar dos filhotes por mais tempo tem a vantagem adicional de dar a elas uma chance maior de sobrevivência a longo prazo. Os pesquisadores descobriram que filhotes fêmeas que receberam parentalidade prolongada sobreviveram ao segundo ano de vida. Mas 22% dos filhotes que foram soltos após um ano e meio não chegaram a três anos. Além de serem caçados por humanos, todos os filhotes que as mães abandonaram cedo eram mais propensos a serem mortos por outros ursos em brigas por território ou recursos.

Essa nova técnica de reprodução mais lenta, mas cuidando dos filhotes por mais tempo, “supera as oportunidades reprodutivas”, diz Van de Walle.

Publicidade

Imagens: Reprodução


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Companhia aérea cria rede de restaurantes de ‘comida de avião’ em terra firme