Seleção Hypeness

10 soluções para evitar embalagens e não gerar lixo na hora das compras

por: Brunella Nunes

Publicidade Anuncie

Quando cortaram a gratuidade das sacolas plásticas nos supermercados de São Paulo, todo mundo fez cara feia e achou absurdo ter que arcar com mais essa conta. No Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolinhas são distribuídas por hora. Para diminuir esse e outros números, reunimos 10 soluções para evitar embalagens e não gerar lixo na hora das compras.

O problema das sacolinhas e das embalagens é muito fácil de entender. Tais pequenas grandes coisas fazem com que cada habitante do país produza mais de 1 kg de lixo diariamente. Os aterros não dão mais conta dos nossos resíduos. As cooperativas nem sempre conseguem reciclar os materiais, que embora sejam recicláveis — como é o caso das sacolas de supermercado — têm baixo valor agregado, são difíceis de descontaminar e necessitam de um ambiente adequado (úmido e quente) para se decompor, o que não é o caso dos aterros.

Aí entram algumas premissas práticas para reduzir seu lixo: dê preferência por produtos com embalagem 100% reciclável ou de vidro; compre a granel, porque você mesmo pode levar o seu pote, sacos de pano ou vidro. A venda fracionada ajuda a combater o desperdício de alimento, pois você compra apenas a quantidade que precisa. O refil e a embalagem retornável (logística reversa) também entram como solução aqui.

Segundo a Anvisa, por medidas sanitárias, os produtos cosméticos não podem reutilizar embalagens. Lojas grandes seguem a proibição da prática, mas produtores menores permitem a venda de refil e aí fica por sua conta e risco. Se você levar um frasco de vidro bem desinfetado e lavado, as chances de acontecer algum estresse são mínimas.

E, por fim, a compra sem embalagem é praticamente impossível em e-commerce, porque dessa forma se gera pelo menos duas embalagens: o plástico/papel que envolve o produto e a caixa exigida pelo Correio. Então o jeito é sair de casa na hora de rechear a despensa.

Vamos ver o que já dá para fazer e onde é possível comprar sem embalagem (ou quase isso):

1. Chás 

Grande parte dos mercadões costumam vender chás já embalados e não exatamente a granel. A solução é ir em locais especializados em chás. A loja espanhola Tea Shop vende mais de 120 tipos de chás a granel, contando com unidades em várias cidades do Brasil, como Brasília, Canoas, Florianópolis e Salvador. Em São Paulo fica no Morumbi Shopping e no Shopping Cidade São Paulo.

2. Café

Por que é tão difícil encontrar um café bom a granel? Não sabemos. Se você encontrar um lugar que moa o grão na hora, dê um abraço em quem for responsável por tal proeza! Em alguns supermercados, armazéns e mercearias dá para comprar grãos de determinadas marcas moídos na hora. Basta pedir que moam diretamente no pode de vidro levado por você e não no convencional saquinho. Pode ser que dê para encontrar os grãos para moer em casa ou já torrado em mercadões e lojas de produtos a granel, mas é raro.

3. Cerveja

Sim, esse mundo existe! Dá para comprar cerveja sem gerar lixo! Para tanto, há duas soluções: embalagens retornáveis ou os chamados growlers. Se você for em qualquer cervejaria que tenha torneiras de chope, provavelmente eles terão um growler para vender. Você só compra uma vez e depois enche quantas vezes quiser para levar pra casa. Até a rede Pão de Açúcar tinha implantado esse esquema na unidade da Av. Ricardo Jafet, em SP, mas o estande sumiu sem deixar rastros. Agora, para comprar as cervejas mais populares, procure por mercearias e botecos que aceitem uma garrafa vazia em troca de outra cheia.

4. Produtos de limpeza 

Embalagem retornável é uma das chaves de sucesso da Ibeji, que vende produtos de limpeza artesanais, naturais e biodegradáveis. A linha conta com repelentes, sabão líquido, desinfetantes, aromatizantes, entre outros. A venda é feita em feirinhas do Rio de Janeiro, que podem ser consultadas no Facebook da marca.

Outra opção é a Mundo Irys, que segue a mesma linha. Há duas formas de compra: refil ou logística inversa. Ao devolver, no local da compra, uma embalagem vazia com tampa, você retira outra cheia do mesmo produto. Os produtos são vendidos em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Rio Grande do Norte, Maranhão e Paraná.

5. Produtos de beleza e higiene

Uma das grandes apostas para não gerar lixo na hora de comprar produtos de beleza ou higiene são as versões em barra, que dispensam a embalagem porque você pode ir na loja e colocá-los no seu próprio frasco ou sacola. Além disso, chegam a render até 80 usos. Desodorantes, perfumes, cremes, shampoos, condicionadores e sabonetes sólidos são vendidos por marcas renomadas e produtores independentes. Não é difícil encontrá-los ao redor do Brasil.

A Lush (que deve deixar o Brasil em breve) é uma daquelas marcas internacionais que a gente admira. São realmente preocupados com o meio ambiente e oferecem produtos de ótima qualidade. As cinco lojas em São Paulo têm uma linha completa, desde cremes até perfumes em barra. A Boa Saboaria Natural também é uma opção a ser encontrada em feiras de rua e lojas de marcas independentes.

6. Perfumes

Os perfumes também entraram na onda da versão sólida e já estão se propagando pelo mundo, inclusive por grifes como a Marc Jacobs, Chloé, Stella McCartney e L’Occitane. A Lush aderiu a ideia e algumas marcas naturebas também, como a UNeVie, que vende perfume e óleo essencial em barra, que hidratam e perfumam o corpo.

A Ducha Cosméticos, com franquias instaladas em diversos shoppings do Brasil, oferece mais de 65 fragâncias, de 50 ml a 100 ml, para os clientes envasilharem na hora. A marca afirma que o custo do produto fracionado chega a ser 50% menor e com a mesma qualidade. Por conta da medida da Anvisa, é necessário usar o vidro da loja, mas depois você pode reutilizá-lo, seja para perfume ou alguma outra coisa.

7. Para cozinhar 

Duas lojas internacionais chegaram em terras tupiniquins para vender bons produtos a granel. A rede alemã Vom Fass é especializada na venda de vinagres, azeites, licores e destilados. Porém, tem uma ressalva: é preciso comprar o vidro deles para depois reutilizá-lo nas compras seguintes.

Semelhante, a franquia holandesa Oil & Vinegar desembarcou no Brasil para vender massas, conservas, azeites e vinagres variados. São mais de 30 itens para os clientes escolherem, com quantia mínima para compra de 50 ml e máxima de 3 litros. Você pode levar seu próprio frasco ou comprar o deles e reutilizar infinitamente depois. Por enquanto, conta com lojas físicas somente em Campinas e Porto Alegre.

8. Roupas

Na hora de comprar roupas, é muito simples: recuse a sacolinha de plástico/papel da loja e utilize a sua. Pronto! Embalagem zero. Mas nesse tópico vale algumas reflexões ainda maiores. Quando você compra em brechós, dá vida nova a uma roupa que já existe e ajuda a economia circular a funcionar. Na feiras de troca, você sequer tira dinheiro do bolso para ter roupas novas! E, em todo caso, também existem as feirinhas de rua, com peças originais, únicas e diferentes, feitas por estilistas e costureiras independentes.

A recusa da embalagem vale igualmente para lojas de shopping, porém, lembre-se: o consumo consciente é parte de uma vida com menos lixo e mais sustentável. No Brasil, os tecidos não são reciclados, então pense bem quando for jogar uma peça fora também.

9. Fraldas de pano

As fraldas descartáveis são muito práticas, mas também são um verdadeiro caos ambiental! Um bebê usa, em média, 240 por mês e todas vão para o lixo, podendo demorar até 500 anos para se decompor. Ou seja, um inocente bebezinho é capaz de gerar um número absurdo de resíduos até largar as fraldas. As fraldas biodegradáveis tampouco são a solução, porque geralmente são destinadas aos aterros, que não possuem o ambiente correto para que se decomponham. Então, mamãe e papai, a solução mesmo são as fraldas de pano, porque até mesmo a pele da sua cria vai ficar menos irritada e o meio ambiente agradece.

10. Coletor menstrual

Assim como os bebês, boa parte das mulheres são grandes produtoras de lixo. Isso porque a menstruação chega todo mês e em pouco tempo se formam pilhas de absorventes usados no lixo do banheiro. Uma solução simples, prática e durável para isso é o coletor menstrual. O copinho feito de silicone é introduzido dentro da vagina para segurar o sangue ao longo do dia. Depois, basta retirar, lavar e colocar novamente. Não prejudica o corpo e nem a saúde, muito pelo contrário. Evita odores desagradáveis e deixa suas partes íntimas respirarem melhor. São vendidos em farmácias e em lojas de produtos naturebas.

Se não der certo, opte por absorventes ecológicos/reutilizáveis, feitos de pano e vendidos por produtoras independentes. Funciona de forma semelhante às fraldas infantis: você lava a parte que suja e põe para secar. Esse da foto é da PachaLuna.

Publicidade Anuncie

Todas as fotos: divulgação

Agradecimentos a Ellen Miranda pelas dicas! :)


Brunella Nunes
Jornalista por completo e absoluto amor a causa, Brunella vive em São Paulo, essa cidade louca que é palco de boa parte de suas histórias. Tem paixão e formação em artes, além de se interessar por ciência, tecnologia, sustentabilidade e outras cositas más. Escreve sobre inovação, cultura, viagem, comportamento e o que mais der na telha.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Uma ilha japonesa acaba de desaparecer no Oceano Pacífico vítima do aquecimento global