Debate

“Deus te ama assim”, Papa Francisco faz história com fala sobre homossexualidade

por: Redação Hypeness

Desde do início de seu pontificado em 2013 o Papa Francisco se destaca por visões menos conservadores sobre assuntos vistos como polêmicos por grande parte de membros da Igreja Católica.

Com o pontífice argentino, o primeiro sul-americano a ocupar o cargo máximo da instituição, não tem tempo ruim. Francisco geralmente não se esquiva de polêmicas como o aborto, racismo, pedofilia e desigualdade e aos poucos vai contribuindo para uma mudança de imagem da igreja, ainda vista com ressalvas por muitos.

Porém nenhum momento foi tão expressivo quanto a manifestação de suas visões sobre a homossexualidade. Isso mesmo, um líder da Igreja Católica Apostólica Romana demonstrou uma visão progressista sobre a diversidade sexual.

Francisco é considerado um dos pontífices mais progressistas da história

“Juan Carlos, que você é gay não importa. Deus te fez assim e te ama assim, e eu não me importo. O Papa te ama assim. Você precisa estar feliz com quem você é”, disse Francisco para um fiel chileno acusado por bispos católicos de pervertido e que estaria mentido sobre ter sofrido abuso sexual.

A fala do religioso é vista por muitos como a mais progressista da história e vai contra a visão católica que considera a homossexualidade pecado e insiste em validar apenas relacionamentos heterossexuais.

Apesar de todo o significado este não é o primeiro posicionamento favorável do papa sobre o assunto. Em 2013, ao ser questionado pela imprensa sobre a existência de um “lobby gay” no Vaticano, o pontífice respondeu, “quem sou eu pra julgar?”

Publicidade

Foto: Wikimedia Commons


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Professor é esfaqueado por aluno em SP. Debater saúde mental nas escolas é urgente