Debate

Love is Love? Cartum mostra como mundo ainda está atrasado quanto aos direitos LGBTQs

por: Redação Hypeness

De forma direta e objetiva, um cartum da página Pictoline mostra a importância da luta pelos direitos LGBTQI+ e, mesmo com as significativas conquistas recentes, o quanto ainda falta fazer para que “sair do armário” e simplesmente poder ser o que se é – direito inalienável e fundamental em qualquer sentido – se torne uma expressão anacrônica, de um passado que deve deixar de ser a realidade atual em tantos lugares do mundo. Para tal, o cartum simplesmente apresenta dados sobre leis de perseguição homossexual em diversos países.

Intitulado “O estado dos direitos homossexuais no mundo (ainda falta muito o que fazer)”, o cartum começa com a parte justa: Em 26 países o casamento igualitário é legal – a sequência, no entanto, vai se tornando gradativamente mais trágica. Em 89 países, a homossexualidade não é ilegal, mas possui restrições. E segue: em 65 países a homossexualidade é ilegal, até chegar ao máximo da barbárie e do horror, lembrando que ainda em 10 países a homossexualidade é crime punido com pena de morte.

Os dados são de 2016 e 2017, mas parecem mais ser do século XIX. A fonte para o cartum foi uma matéria intitulada “The State of Gay Rights Around the World” (mesmo título do cartum), do jornal americano The Washington Post. Os dados revelam um terrível paradoxo: em muitos lugares do mundo, portanto, para não ser punido ou mesmo continuar vivo, é preciso esconder quem se simplesmente é – é preciso um tanto deixar de viver para poder viver. Enquanto todos não são livres, ninguém o é – e é por isso que não há relativização ou questionamento algum para a perseguição pelo amor alheio. Amor é amor, como diz a hashtag #LoveIsLove, que celebra a campanha.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após suicídio, precisamos falar sobre como a menstruação é tratada nas escolas