Ciência

O céu é o limite: Brasileira de 17 anos é selecionada para curso na NASA

por: Redacao_Hypeness

Publicidade Anuncie

Todo mundo já sonhou um dia em ser um astronauta, e a brasileira Amanda Rodrigues, de 17 anos, não foi diferente. Nascida e criada na área rural de Biritba-Ussu, no município de Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo, a diferença de Amanda é que ela levou seu sonho para além dos devaneios infantis: conhecida agora como “A menina das Estrelas”, Amanda acaba de ser selecionada para um curso dentro da agência especial americana, a famosa NASA.

O presente preferido de Amanda foi um telescópio, aos 11 anos de idade – e desde então seus olhos e coração permaneceram virados para o cosmos e as estrelas. Selecionada em primeiro lugar entre candidatos brasileiros para o curso, sua entrada na NASA se deu através de uma redação sobre o planeta Saturno. O curso oferecerá aulas teóricas e treinamentos práticos com astronautas americanos, sobre as viagens e vivências de ser um cientista dentro da agência.

Havia um único e simbólico obstáculo para a conquista estelar dos sonhos de Amanda é o mesmo que costuma enfrentar todo desenvolvimento científico em um país como o Brasil: o dinheiro. Apesar do curso ser gratuito, a estudante do 3º ano precisava de cerca de R$ 12 mil para cobrir os custos da viagem. Para isso, Amanda realizou uma campanha de financiamento coletivo, no final do ano passado, que alcançou a meta. A menina das estrelas, que desde os 9 anos sonha em ser astrônoma, dará o maior passo na direção desse sonho em julho, nos EUA – rumando as estrelas, sem limites.

Amanda com uma das diretoras da NASA

Publicidade Anuncie

© fotos: divulgação


Redacao_Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Como a mesma refeição pode ter mais de 400 calorias de diferença, segundo nutricionista