Futuro

Reino Unido vai proibir canudos, cotonetes e demais produtos plásticos descartáveis

por: Redação Hypeness

A luta contra os resíduos plásticos e a poluição principalmente nos rios e mares ganhará em breve um forte aliado: a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou que até o ano que vem os países britânicos irão proibir todos os plásticos não reutilizáveis – como canudos, cotonetes e todo e qualquer outro produto em plástico que utilizamos somente uma vez e depois jogamos fora. Para se ter uma medida do tamanho do impacto que tal decisão pode provocar, anualmente o Reino Unido sozinho joga cerca de 8,5 bilhões de canudos no lixo.

A decisão do governo britânico vem como um importante passo na direção do cumprimento do Plano Ambiental de 25 anos, que visa, entre outras coisas, o fim da poluição plástica pelos países da comunidade britânica. “O desperdício de plástico é um dos grandes desafios ambientais do mundo, e é por isso que proteger nossas águas é uma de nossas agendas centrais”, disse a primeira-ministra.

“Poluído por plásticos não retornáveis”

Essa não é a primeira proposta concretizada pelo governo britânico a fim de combater a poluição plástica: a aplicação de uma cobrança pelo uso de sacolas plásticas reduziu em cerca de 90% o uso de sacos não reutilizáveis – significando uma diminuição de 9 bilhões de sacolas sendo desperdiçadas. A ideia do governo agora é trabalhar com empresas e indústrias para, juntos, poderem adaptar suas realidades e serviços diante da nova lei e para o futuro – que só virá de fato se começarmos agora a entender que o lucro real é a preservação do planeta.

Publicidade

© fotos: divulgação


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Por que você pode – e deve – lutar pela descriminalização ao lado da Marcha da Maconha