Debate

Apicultores encontram glifosato no mel e entram na justiça contra Bayer

por: Redação Hypeness

Publicidade Anuncie

A gigante farmacêutica Bayer está sendo processada por um grupo de apicultores franceses que dizem ter encontrado vestígios de glifosato no mel produzido pelas abelhas. De acordo com a AFP a cooperativa, que representa cerca de 200 produtores, alega ter detectado a presença do composto em três lotes de um dos membros.

Emmanuel Ludot, representante dos apicultores, ressalta o risco de contaminação pois as colmeias estão localizadas próximas de plantações de beterrabas e girassóis. O advogado alertou ainda sobre o uso excessivo do Roundup pelos agricultores.

O glifosato é um herbicida desenvolvido para matar ervas daninhas. O composto foi descoberto pelo químico John E. Franz na década de 1970 e atualmente é utilizado pela gigante norte-americana Monsanto sob o nome de Roundup. No Brasil ficou conhecido como Mata-Mato.

O veneno encontrado pelos apicultores é fruto do Roundup

É justamente a presença da Monsanto na história que vem gerando revolta dos agricultores. A empresa, recentemente adquirida pela Bayer em uma transação superior aos 240 bilhões de reais, é constantemente alvo de manifestações de ambientalistas em função dos efeitos nocivos para a saúde causados por seus produtos.

Diante da denúncia a expectativa agora é que o Roundup, líder de mercado na França, perca força entre os produtores rurais do país europeu. O presidente Emmanuel Macron assegurou o banimento do veneno até 2021.

A Monsanto foi comprada pela Bayer em uma transação bilionária

 

Publicidade Anuncie

Fotos: foto 1: Unsplash/foto 2: Reprodução/Wikipédia


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Em véspera de pesquisa, Bolsonaro tenta apagar histórico homofóbico com vídeo pró-gays