Debate

Argentina aprova aborto na câmara em votação histórica

por: Redação Hypeness

Foram mais de 20 horas de discussão na Câmara de Deputados da Nação Argentina. Do lado de fora do palácio na capital Buenos Aires milhares de manifestantes a favor e contrários a um dos debates mais importantes da história do país latino-americano, o direito ao aborto.

Em uma sessão tumultuada, digna dos grandes clássicos de futebol entre River Plate e Boca Júnior, os congressistas aprovaram a legalidade do aborto até a 14ª semana de gestação. Foram 129 votos pelo aborto, ante 125 contra.

Os rumos da controversa sessão quase se transformaram com a mudança de opinião dos peronistas Melina Delú e Ariel Rauschenberger, que surpreendentemente informaram que iam optar por barrar a lei. As dúvidas provocaram vigílias do lado de fora do prédio da câmara baixa por quase 24 horas.

Agora a legalidade precisa ser apreciada pelo Senado

Esta foi a primeira vez em que o tema foi debatido no parlamento e apesar de se descrever como um homem ‘a favor da vida’, o presidente argentino Mauricio Macri deixou muita gente surpresa ao encorajar o debate.

Até o momento não se sabe quando a legalidade do aborto será apreciada pelo Senado, contudo de acordo com o jornal argentino Clarín deve demorar até oito dias para que o projeto de lei ganhe status parlamentar.

Em toda a América Latina a população de católicos passa dos 60% por isso debates polêmicos com o do aborto ainda são evitados pela maioria das nações. Não é o caso de Cuba e Uruguai e da Cidade do México, onde o aborto sem restrições é legal. Nos outros países o procedimento só pode ser feito em caso de risco de vida para a mulher, em situações envolvendo estupro ou de inviabilidade do feto, até aqui o caso da Argentina.

Publicidade

Foto: Wikimedia Commons


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Por que a África lidera o ranking de mulheres em conselhos administrativos