Ciência

BBC revela como seria o corpo perfeito para vivermos mais e é totalmente assustador

por: Redação Hypeness

Da próxima vez que você desejar ter um corpo perfeito, é bom pensar duas vezes sobre o que isso significa.

Em uma tentativa de definir qual seria biologicamente a melhor estrutura física para os humanos, a BBC convidou a  antropóloga física e professora da Universidade de Birmingham Alice Roberts para repensar nosso corpo. Alice foi desafiada a criar uma versão 2.0 pensada para que a humanidade vivesse mais – e ela definitivamente não se encaixa no que você esperaria de um “corpo perfeito”…

Como mostra um vídeo divulgado pela emissora (veja abaixo, em inglês), o humano perfeito teria pernas de emu e a lombar de um chimpanzé para sustentar uma postura ereta, orelhas maiores e olhos sensíveis à luz. O modelo 2.0 de nossa espécie seria equipado ainda com o coração de um cachorro, os pulmões de um cisne, pele de réptil e pequenas bombas nas coxas que funcionariam como auxiliares na circulação sanguínea.

Por último, as mulheres ganhariam ainda uma bolsa para carregar os bebês semelhante à dos cangurus, o que garantiria um parto sem dor. Com a ajuda dos escultores Scott Eaton e Sangeet Prabhaker, um modelo em tamanho real desta Alice “perfeita” foi criado e está em exposição no Science Museum, em Londres, até dezembro deste ano.

Nós queríamos mostrar que nosso corpo não é perfeito. É isso que a evolução faz, ela cria organismos que agem no aqui e no agora. Evolução é sobre criar um corpo que funcione, não é sobre perfeição”, declara Alice em entrevista ao RT.

Publicidade

Foto 1: Reprodução Twitter

Fotos 2 e 3: Reprodução Youtube


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Comemore! As baleias jubarte não são mais consideradas em extinção